Dicas

Troncatori

A tarefa

Uma parte fundamental e inevitável da vida do ser humano é o trabalho: trabalha para viver (e nunca deve ser o contrário, você perderia o melhor da vida) e muitas vezes seu uso ocupa a maior parte do dia; mas não existe apenas este tipo de trabalho, mas existe também o “emprego”: normalmente com este termo queremos dizer aqueles empregos (às vezes reais) que são praticados como hobby, porque para eles existe uma determinada paixão ou inclinação e nós Gostamos de praticá-los nas horas vagas ou pelo menos assim que pudermos, sem nos preocuparmos com o seu possível peso (físico ou mental) porque tem um efeito positivo sobre nós, ajuda a nos desligarmos da rotina habitual. Um exemplo de hobby muito difundido, apesar de exigir um grande esforço físico, é o hobby do jardim: muitas pessoas esculpem um canto da horta para poderem plantar duas verduras, uns poucos pés de salada, uma pequena árvore frutífera para poderem cultivar sua paixão com o trabalho da terra e com tudo que se relaciona com isso; É claro que trabalhar a terra como profissão é outra coisa, mas mesmo fazê-lo por paixão pode ser muito exigente e deve ser levado em consideração.

Ferramentas de trabalho


Todo trabalho, como sabemos, requer sua ferramenta específica, sem a qual não poderia ser executado completamente; isso acontece com o operário que nada poderia fazer sem espátula e carrinho de mão, acontece com o açougueiro que deveria fechar sem faca e cortador e acontece com o mecânico que não seria mecânico sem a chave inglesa. Em um jardim, em uma horta acontece exatamente o mesmo, você precisa da ferramenta certa para as várias tarefas a serem realizadas: por isso encontramos a pá, a enxada, a pá, o ancinho e outras coisas. Com essas poucas e simples ferramentas, as mesmas que nossos bisavós usavam para as mesmas operações, você pode manter um jardim de pé muito bem, principalmente se adicionarmos a elas uma boa dose de vontade de nos cansar um pouco. Hoje, no campo da jardinagem, existe uma grande facilitação para estas obras, essencialmente representada pelas ferramentas mecanizadas que agora se popularizaram graças à qualidade de construção e ao preço que subiram e baixaram respetivamente. Nasceram especificamente para a jardinagem, para a tornar mais utilizável e menos cansativa, para atrair cada vez mais entusiastas; algumas das ferramentas mecanizadas mais populares são o cortador de grama, o trator e o triturador.

Cortadores

Entre as tantas ferramentas de trabalho mecanizadas do jardim, neste artigo falamos e apresentamos o cortador: é uma ferramenta que nos ajuda (e o nome o sugere muito) a “cortar” sobretudo ramos de vários tamanhos, o que tanto pode ser cansativo do que perigoso (especialmente para os menos experientes) se feito com a ferramenta clássica, que pode ser uma tesoura de corte ou uma serra. A construção da máquina de corte não é muito simples, pois não é comum o movimento automático que ela deve realizar; é produzido com duas lâminas sobrepostas e ligeiramente deslocadas, ambas ligadas a um motor que as movimenta alternadamente para a frente e para trás de forma a cortar o que se encontra entre elas. Para fazer isso, também deve haver um mecanismo que aperta as duas lâminas, do contrário, eles iriam cortar até certo ponto e então não encontraríamos mais nada para operar. O que se deve notar é que esta não é a única forma de construir o mecanismo de corte, mas dependendo do fabricante, podem ser encontradas diferentes tecnologias, mais ou menos eficazes, mas também mais baratas ou menos; a diferença real, entretanto, é freqüentemente a fonte de alimentação do motor que move tudo.

Motor e preços

Continuando na sequência do parágrafo anterior, vemos o elemento que mais distingue os vários tipos de fresas: o motor; pode ser essencialmente elétrica e combustão interna (ou seja, como a dos carros). O motor elétrico é de introdução mais recente (devido ao único desenvolvimento recente de baterias pelo menos decentes no fornecimento de energia e duração garantida) e geralmente garante maior funcionamento silencioso, o que em uso em uma horta doméstica pode ser um requisito fundamental para não incomodar. nossos familiares nem toda a vizinhança; isto é notável sobretudo no que diz respeito ao ruído por vezes excessivo dos modelos com motor de combustão interna (principalmente de construção não recente), que no entanto conseguem garantir uma maior fiabilidade e uma maior duração de utilização, já que você não precisa esperar a bateria recarregar, basta encher o tanque de combustível e continuar trabalhando. Em relação aos preços, os modelos de corte com motor elétrico custam mais, mas apenas porque sua introdução é mais recente e queremos aproveitar a onda dos diversos discursos ambientalistas tão em voga principalmente entre os políticos que precisam de enriquecendo seu eleitorado; em geral, o preço também se deve ao poder de corte, atrelado ao material de construção das lâminas.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *