Dicas

Tintura madre echinacea

Introdução

A Mãe Natureza é sempre muito generosa com aqueles que pretendem curar e aliviar algumas doenças comuns usando apenas ervas medicinais. Mesmo a medicina fitoterápica moderna é muito “generosa” com os defensores dos remédios naturais obtidos de extratos de plantas. Os extratos de ervas, devidamente tratados e processados, mantêm inalterados todos os princípios ativos da planta mãe, permitindo que sejam ingeridos de forma prática e rápida. A gama de extratos de ervas disponíveis é muito nutrida: do extrato seco à tintura-mãe. Esta última preparação é obtida a partir da maceração em água e álcool de algumas partes de plantas frescas. O álcool tem a propriedade de aumentar os efeitos dos princípios ativos da planta e de obter remédios em forma de gotas, facilmente utilizado por quem tem dificuldade em engolir as formas fitoterápicas obtidas a partir do extrato seco da planta, ou cápsulas e comprimidos. Entre as tinturas-mãe mais utilizadas para o alívio de enfermidades sazonais como gripes e resfriados, encontramos a da equinácea, que disputa a supremacia das vendas junto com a própolis. Nos parágrafos a seguir, descobriremos as características e efeitos da tintura-mãe da equinácea.

Características


A tintura-mãe da equinácea é obtida da parte aérea e da raiz da planta homônima, espécie pertencente à família Asteraceae e ao gênero Composite. Nativa da América do Norte, a equinácea, em suas diversas variedades, tem um caule longo e uma flor em forma de cone, da qual se ramificam pétalas de flores muito longas, com cores que variam do rosa violeta ao branco rosado. O interesse ornamental e fitoterápico desta planta é notável. Quanto a este último aspecto, deve-se dizer que a equinácea era amplamente utilizada pelos índios americanos, que a utilizavam para tratar feridas e picadas de cobras venenosas. As antigas tribos indígenas também atribuíram virtudes milagrosas à equinácea. Embora não seja muito milagroso, as virtudes da equinácea são comprovadas no campo da medicina fitoterápica moderna, que foi capaz de “concentrá-las” habilmente em remédios como o extrato seco e a tintura-mãe. Este último é obtido a partir da maceração, em solução hidroalcoólica, das raízes e da parte aérea das diferentes variedades de equinácea, nomeadamente Echinacea Purpurea, Echinacea Augustifolia e Echinacea Pallida. A tintura-mãe tem um teor alcoólico de 55%, mas também existem tinturas-mãe de equinácea tituladas a 25% e utilizáveis ​​para aplicações externas.

Usos

A tintura-mãe Echinacea é usada para aliviar ou prevenir sintomas de gripe ou resfriado, como dor de garganta, faringite e laringite. O uso da tintura-mãe para essas doenças está ligado às propriedades bacteriostáticas e antivirais da planta, que contém equinacosídeo, um polifenol, óleos essenciais e polissacarídeos de alto peso molecular com propriedades imunoestimulantes. A equinácea também possui propriedades curativas, ligadas justamente à ação do equinacósido. Nas lesões e feridas também pode-se aplicar compressas à base de tintura-mãe de equinácea titulada a 25% e diluída em água. A tintura mãe titulada a 55%, dadas suas propriedades antiinflamatórias e desinfetantes, também pode ser usada como enxaguatório bucal, para promover a cicatrização de lesões e irritações da cavidade oral (aftas e gengivites). Para outros problemas mais importantes, como afecções do trato urogenital ou doenças fúngicas, os fitoterapeutas recomendam tomar outros remédios à base de equinácea, porque a tintura-mãe seria adequada apenas como desinfetante e antiinflamatório para ser usado por curtos períodos. A dosagem ideal da tintura-mãe Echinacea é de 30 a 40 gotas três vezes ao dia por até oito semanas. As gotas são retiradas após despejá-las em um copo d’água. A dosagem ideal da tintura-mãe Echinacea é de 30 a 40 gotas três vezes ao dia por até oito semanas. As gotas são retiradas após despejá-las em um copo d’água. A dosagem ideal da tintura-mãe Echinacea é de 30 a 40 gotas três vezes ao dia por até oito semanas. As gotas são retiradas após despejá-las em um copo d’água.

Contra-indicações

Devido às suas propriedades estimulantes do sistema imunológico, a tintura-mãe de equinácea não é recomendada para pessoas que sofrem de alergia a asteráceas e para quem sofre de doenças autoimunes. As fontes fitoterápicas atribuem baixa toxicidade à equinácea, mas em caso de gravidez, lactação ou patologias concomitantes é melhor interromper o uso da tintura-mãe. A terapia com tintura-mãe de equinácea não deve, em caso algum, exceder dois meses, para evitar problemas de toxicidade hepática. Dado o alto teor de álcool, a tintura-mãe de equinácea também não é recomendada para quem sofre de gastrite e azia. Os remédios à base de equinácea também devem ser evitados ao se tomar ecoconazol, uma substância antifúngica cuja ação é potencializada pelos extratos de equinácea.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *