Dicas

Poda de glicínia

O desenvolvimento de glicínias

Wisteria é uma planta decorativa que nos chega do Oriente, das zonas da China e do Japão, e que em pouco tempo conquistou jardins e espaços verdes europeus pelo encanto das suas flores e pelo seu perfume intenso. É uma planta arbustiva com grande potencial decorativo, visto que se caracteriza por densas inflorescências de cor variada entre o azul e os diferentes tons de púrpura e lilás, que se desenvolvem de forma muito generosa. Esse traço pode ser interpretado como uma dupla face da glicínia, que é adequada para se tornar o centro visual, imponente e majestoso, dos jardins, mas que, por outro lado, requer muita atenção do ponto de vista da poda. . Se, de fato, para a maioria das espécies de plantas a poda é uma operação recomendada para a saúde das plantas, para as glicínias torna-se essencial ser capaz de controlar seu desenvolvimento e dar forma ao que de outra forma se tornaria um arbusto de grande intrusão. A poda das glicínias é, portanto, realizada em diferentes épocas do ano e as operações a serem realizadas variam de acordo com a fase de vida da planta, que nos primeiros anos deverá ser direcionada para o crescimento e, posteriormente, principalmente contida.

Poda de verão e inverno


As principais podas que se realizam todos os anos em exemplares de glicínias são essencialmente duas: a mais decisiva será a poda de verão, quando a planta se encontra a meio do ciclo vegetativo e tende a desenvolver-se de forma decisiva. No inverno, a poda terá, em vez disso, uma finalidade de contenção e também servirá para selecionar os ramos a partir dos quais queremos que o desenvolvimento da planta continue. A poda de verão realiza-se encurtando os ramos do ano anterior, deixando-os com cerca de um metro de comprimento: serão os ramos que no ano seguinte darão origem aos botões depois de lignificados. Desta forma iremos intervir na forma das glicínias, eliminando os ramos muito compridos e evitando que os mais novos se desenvolvam de forma irregular. Esta seleção, feita ano a ano, permitirá manter sob controle a forma assumida pela planta. Já com a poda de inverno, o objetivo é revigorar a planta: só intervimos quando a glicínia perde as folhas, portanto no final do inverno, e os ramos mais novos são cortados, restando apenas quatro ou cinco botões que posteriormente se desenvolverão . A poda de inverno é também a altura certa para eliminar os ramos mais secos, velhos e improdutivos que roubam o alimento da planta sem servir para o seu desenvolvimento eficaz.

Poda de formação e poda verde


A poda, como mencionado, também deve se adaptar às diferentes fases da vida das glicínias, nas quais a planta terá necessidades diferentes. Os primeiros anos de vida são aqueles que vêem as glicínias sujeitas a um crescimento mais intenso, pois são os mais importantes do ponto de vista da atribuição da forma da planta. Por isso, falamos justamente em poda de treino e devemos ter em conta não só o espaço disponível para a planta mas também a estrutura que se pretende que ela assuma, para depois se desenvolver sem sofrer muitas variações. Por outro lado, quando as glicínias começam a envelhecer, a poda será mais útil para conter o desenvolvimento do verde do que a sua expansão estrutural: nestes casos intervimos eliminando os ramos muito densos ou muito sombreados,

Poda de glicínias: dê forma às glicínias


Um dos elementos mais fascinantes das glicínias é a sua incrível versatilidade do ponto de vista estrutural: sendo uma planta trepadeira pode assumir as mais diversas formas e decorar qualquer espaço. A glicínia necessita, portanto, para crescer, de uma estaca sobre a qual se desenvolver: é frequentemente utilizada para decorar pérgulas, terraços, alpendres, criando uma cobertura florida de grande romantismo. No entanto, a glicínia não tem necessariamente de ser utilizada de forma a tornar-se imponente: também pode ser mais contida e cultivada de forma a crescer em torno de colunas ou mesmo no solo, como arbusto a dar forma mais agradável: nestes casos a poda deverá ser mais decisiva para dar vida às palmetas ou arbustos. Para as glicínias do mato, no entanto, é necessário lembrar de posicionar a planta suficientemente distante de todas as outras: caso contrário, corre-se o risco de as glicínias conseguirem alcançá-las e escalá-las. Uma das culturas mais fascinantes é aquela que tem outra árvore como tutora: se a floração for contemporânea, quando as glicínias crescerem o suficiente e os ramos das duas plantas se entrelaçarem haverá uma floração bicolor esplêndida. No caso das glicínias, de fato, a planta hospedeira não sofre dano particular ou enfraquecimento, apesar da presença de glicínias, especialmente se uma planta hospedeira com ramos esparsos for selecionada, de modo que o entrelaçamento não cause iluminação deficiente para os ramos de nenhum espécies. caso contrário, existe o risco de as glicínias conseguirem alcançá-los e escalá-los. Uma das culturas mais fascinantes é aquela que tem outra árvore como tutora: se a floração for contemporânea, quando as glicínias crescerem o suficiente e os ramos das duas plantas se entrelaçarem haverá uma floração bicolor esplêndida. No caso das glicínias, de fato, a planta hospedeira não sofre dano particular ou enfraquecimento, apesar da presença de glicínias, especialmente se uma planta hospedeira com ramos esparsos for selecionada, de modo que o entrelaçamento não cause iluminação deficiente para os ramos de nenhum espécies. caso contrário, existe o risco de as glicínias conseguirem alcançá-los e escalá-los. Uma das culturas mais fascinantes é aquela que tem outra árvore como tutora: se a floração for contemporânea, quando as glicínias crescerem o suficiente e os ramos das duas plantas se entrelaçarem haverá uma floração bicolor esplêndida. No caso das glicínias, de fato, a planta hospedeira não sofre dano particular ou enfraquecimento, apesar da presença de glicínias, especialmente se uma planta hospedeira com ramos esparsos for selecionada, de modo que o entrelaçamento não cause iluminação deficiente para os ramos de nenhum espécies. assim que as glicínias crescerem o suficiente e os ramos das duas plantas estiverem entrelaçados, haverá uma floração bicolor esplêndida. No caso das glicínias, de fato, a planta hospedeira não sofre dano particular ou enfraquecimento, apesar da presença de glicínias, especialmente se uma planta hospedeira com ramos esparsos for selecionada, de modo que o entrelaçamento não cause iluminação deficiente para os ramos de nenhum espécies. assim que as glicínias crescerem o suficiente e os ramos das duas plantas estiverem entrelaçados, haverá uma floração bicolor esplêndida. No caso das glicínias, de fato, a planta hospedeira não sofre dano particular ou enfraquecimento, apesar da presença de glicínias, especialmente se uma planta hospedeira com ramos esparsos for selecionada, de modo que o entrelaçamento não cause iluminação deficiente para os ramos de nenhum espécies.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.