Dicas

Mammillaria

Plantas de todos os tipos

O mundo vegetal é extremamente variado, visto que a Natureza proporcionou a cada espécie de planta uma grande força evolutiva e adaptativa; esta é a sua maior força, e o testemunho desta forte afirmação está todos os dias: as plantas estão presentes em todo o nosso planeta, em todo o lado, no fundo do mar e nos desertos mais quentes, entre os glaciares e nas montanhas mais altas, nas planícies e até mesmo nos pântanos, e eles sobreviveram lá por milhões de anos, muito antes do aparecimento do homem. Isso significa que resistiram a algumas das maiores catástrofes do nosso planeta Terra, como as grandes glaciações ou períodos de erupções contínuas, quando o céu foi obscurecido por cinzas e o solo invadido por lava, enquanto o ar se tornou irrespirável e muito pobre em oxigênio porque era muito rico em substâncias de combustão e erupção. Para superar essas situações a que talvez o ser humano não tivesse sobrevivido, as plantas tiveram que dar todas as suas forças, para se adaptarem de vez em quando: por isso assumiram as formas mais díspares, porque cada conformação não é um exercício estético ou outra coisa, mas tem uma razão e um propósito precisos.


Cientes do facto de que hoje em dia as plantas se destacam sobretudo pelo seu enorme poder decorativo tanto em casa como no exterior, e pela capacidade de transmitir ao ser humano as mais variadas emoções positivas (pelo que muitas vezes são utilizadas como presente), desejamos aprofundar ainda mais o aspecto evolutivo que trouxe cada planta à sua forma atual, que lembramos estar em evolução muito lenta, mas contínua, assim como todas as outras formas de vida na Terra. Em particular, neste artigo queremos falar sobre as adaptações extremas das plantas, ou aquelas que ocorreram para viver em lugares inacessíveis como desertos frios e quentes, ou sem estar em contato com o solo, mas aprendendo a se alimentar através do ar ou «roubar» algo de outras formas vivas. Entre as coisas mais fascinantes estão as adaptações devido aos desertos quentes, onde parece absurdo viver porque não há água, que é o componente essencial à vida do homem e também das plantas. Estes últimos, pelo menos nas espécies que evoluíram para viver nessas áreas, têm conseguido se tornar excepcionais tesoureiros de água, armazenando todas as quantidades possíveis e usando-as «com o conta-gotas», ou seja, com grande atenção.

Mammillaria: especificações de espécies e cultivo

A mamillaria, como todas as plantas «gordas» (em sua definição vulgar), passou por uma evolução que levou à degeneração das folhas em espinhos, pois a superfície foliar corria o risco de dissipar muito da preciosa quantidade de água armazenada nos tecidos. . Dependendo da espécie, há a mamillaria totalmente coberta de espinhos e há aquela que tem poucos, mas grandes espinhos, muitas vezes úteis também para se defenderem de animais que gostariam de morder o corpo da planta para «beber» um pouco de os sucos e saciam sua sede. Outra diferença entre as várias espécies do referido gênero é a presença de flores, que podem ser múltiplas e únicas, de dimensões pequenas ou mesmo grandes e vistosas (ainda que prevaleça a primeira), enquanto as cores são entre o vermelho e o amarelo com tonalidades possíveis. . Quanto ao cultivo, a mamillaria é muito fácil de manter e acima de tudo pode resistir bem mesmo nas temperaturas frias do inverno (pouco abaixo de zero graus centígrados), além de poder viver a pleno sol. A rega deve ser regular diariamente nos períodos de calor (de março a outubro), cuidando para que o solo esteja bem drenado; já no inverno a rega deve ser suspensa completamente, pois quanto mais seca a planta, melhor resiste ao frio.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar