Dicas

Dolorido branco

As plantas do jardim

Assim como o jardim é um dos lugares da casa que mais gostamos por vários motivos, as plantas no seu interior também têm a sua importância fundamental; de fato, uma vez que uma das tarefas / qualidades mais importantes do jardim é nos oferecer um lugar só nosso, onde possamos relaxar a um passo de casa e estarmos imersos em uma natureza simples e silenciosa, é claro que tudo isso ser impossível sem as plantas que enchem nosso jardim e o trazem à vida. As plantas, e todos os outros seres vegetais, são seres vivos, que de fato possuem certa autonomia devido a milhões de anos de evolução, mas também é verdade que precisam de alguns cuidados sem os quais estariam sujeitos às leis naturais da natureza que às vezes eles podem levar a uma morte prematura. Bem, entre os vários tratamentos há certamente a rega, decantando para crescimento, mas também defendendo-os de doenças; sim, parece absurdo, mas até as plantas adoecem: muitas doenças afetam apenas a estética da planta, mas outras podem destruí-la e até causar a morte de outras plantas próximas por contágio. Claro, para entender a doença de uma planta não há tosse, febre ou exames de sangue, mas outros sinais que devemos aprender a conhecer.

Dolorido branco


Uma das doenças mais difundidas, poderosas e mal toleradas pelo homem que vê suas plantas morrerem é a chamada “doença branca”; essa doença tem esse nome porque aparece externamente como uma pátina branca nas folhas, flores e no tronco das plantas que atinge, quase como um spray de tinta na própria planta. Na verdade, o nome científico de tudo isso é “oídio”, enquanto nas culturas populares também existem outros nomes, como “névoa” ou “albugina”. Tudo isso é causado por uma família de fungos muito resistentes, antes classificados no grupo dos fungos Oidium “imperfeitos” (imperfeitos porque não correspondem aos cânones clássicos dos fungos), daí o nome científico da doença. Uma vez que o fungo Oidium ataca a planta, ele impõe um parasitismo obrigatório, ou seja, quase assume o controle da planta que não sabe como se livrar dela; de fato os elementos do fungo repousam na superfície (classicamente das folhas) e penetram suas raízes logo abaixo da epiderme da planta, penetrando nas células internas, governando-as e absorvendo todos os nutrientes, levando-as lentamente à deterioração.

Efeitos e soluções

Durante a fase de penetração definitiva da doença na planta, o efeito externo que ocorre é a formação da pátina branca previamente descrita na superfície da folha aderida, mancha que se estende lentamente. Essa mancha não é outra senão o micélio, que é o corpo externo comum a todos os fungos, sendo parte fundamental deles; além disso, o ataque descrito acima nos faz entender que se trata de um ectoparasitismo, que em algumas espécies também pode ser endoparasitismo, ou ataque de dentro. Os efeitos devidos à doença brancanão são apenas aqueles que vêem o aparecimento da camada branca de micélio na planta, mas são uma descoloração inicial dos órgãos afetados, uma necrose subsequente que nos casos mais graves pode levar à infecção de toda a planta e à sua morte . Um caso clássico é o da uva: o mal bianco ataca as uvas, cuja superfície se torna menos elástica e, portanto, tende a quebrar quando a uva cresce; isso provoca fissuras que são uma estrada para outras doenças, ainda mais graves e específicas de uma única planta. As soluções para o oídio podem consistir em algumas espécies de produtos químicos, mas também em alguns naturais, descobertos no próximo parágrafo.

Enxofre e antioides

O enxofre é um elemento natural muito comum que se mostrou muito eficaz na luta contra a doença branca; em particular o enxofre tem uma ação preventiva, porque nas superfícies em que é borrifado o mal bianco não pode criar raízes. Isso é extremamente positivo porque o enxofre é praticamente atóxico para todos os mamíferos (portanto também para os humanos), mas o aspecto negativo é que deve ser borrifado em todos os cantos da planta, pois se uma parte dele for deixada descoberta, ele pode ser atacado sem problemas. Outro problema é que tanto o enxofre em pó quanto o líquido (diluído) não surtem efeito nem abaixo de dez graus centígrados, nem acima de trinta graus centígrados, pelo contrário, são tóxicos para a planta devido às temperaturas mais altas. Decidiu-se, portanto, recorrer a medicamentos antioides, ou produtos químicos sintetizados em laboratório que também são capazes de erradicar a doença quando ela já se enraizou (o que o enxofre não pode fazer, tendo apenas uma ação preventiva). No entanto, o bom senso deve levar a reduzir ao máximo o uso desses produtos sintéticos, que são potencialmente perigosos até para humanos se ingeridos em grandes quantidades e em qualquer caso não naturais, portanto nunca cem por cento seguros e sempre devem ser evitados como tanto quanto possível.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *