Dicas

Albero di giuda

Necessidades de água

Esta árvore atinge cerca de 7 metros de altura, sendo utilizada em jardins como árvore ornamental tanto pela forma complexa que assume o seu tronco, como pelas flores coloridas que produz, algumas das quais amarradas directamente ao tronco. Dada a sua ruralidade, a água da chuva é geralmente suficiente e nenhuma outra intervenção é necessária. A irrigação é de grande importância em caso de períodos de seca prolongada, que são tolerados pela árvore, mas que podem comprometer a floração. É preferível manter o solo de cultivo úmido e fresco durante o verão, mas a estagnação da água deve ser absolutamente evitada, o que pode causar apodrecimento das raízes e tornar a planta vulnerável ao ataque de patógenos. No inverno, é preferível não expor a planta à geada,

Como cuidar disso


A árvore de Judas cresce principalmente na natureza, portanto não requer atenção especial. Sua floração é otimizada em locais expostos por muitas horas à luz solar direta, não muito sujeitos à ação dos ventos e em solos preferencialmente calcários e bem drenados; o pH do solo também deve estar entre neutro e levemente ácido, enquanto pHs básicos não são tolerados. A poda deve ser realizada no final do verão e deve ter por objetivo eliminar ramos ou partes danificadas e dar forma à copa da árvore. As intervenções de poda devem geralmente ser limitadas e não invasivas, exceto no caso em que a árvore parece seriamente comprometida por geadas ou ataques de parasitas. As flores, se colhidas na primavera, quando ainda estão frescas,

Quando e quanto fertilizar


A fertilização da árvore de Judas pode ser considerada supérflua, pois não deve ser feita na natureza. No entanto, se for plantado em jardins para fins ornamentais ou culinários, são recomendadas intervenções de fertilização para estimular a floração. Uma vez que a árvore forma uma relação simbiótica com algumas cepas de bactérias fixadoras de nitrogênio, o fertilizante usado deve ser baixo neste elemento. Um dos fertilizantes mais adequados, portanto, é o estrume maduro de liberação lenta, particularmente rico em potássio (que estimula a floração). A consistência deste fertilizante deve ser granular, para não compactar excessivamente o solo e para facilitar a sua drenagem. Recomenda-se realizar a intervenção em novembro, a fim de garantir uma

Árvore de Judas: doenças e pragas


Embora a árvore seja resistente ao ataque de pulgões, é mais vulnerável ao ataque de insetos cochonilhas e ácaros, que podem ser tratados com pesticidas especiais. Outro inseto que raramente consegue atacar o siliquastro é a psylla, um fitófago que proliferou nos últimos anos devido a tratamentos químicos que erradicaram seus inimigos naturais. Geralmente atacam as partes jovens da planta e, devido às picadas que fazem para se alimentar, causam necrose. Além disso, secretam uma solução açucarada que, acumulando-se nos órgãos vegetativos, provoca tanto asfixia como a concentração dos raios solares, com as consequentes queimaduras. Psylla pode ser eliminada usando um pesticida à base de abamectina,

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.