Dicas

Pimenta

Pimenta

É universalmente conhecido e apreciado como tempero, mas também possui propriedades fitoterápicas. Estamos falando de pimenta, fruto da planta homônima nativa das áreas subtropicais da Índia e da China. Pimenta inclui quase mil espécies pertencentes ao gênero Piper e à família Piperaceae. A mais conhecida e mais utilizada, tanto na gastronomia quanto na fitoterapia, é a pimenta-do-reino, nome botânico Piper nigrum, que se refere não só ao tempero, mas à planta inteira. Dentre as espécies de pimenta mais conhecidas, lembramos também a Piper officinarum, também chamada de pimenta longa, a piper longum (pimenta de Bengala) e a Piper cubeba. Existem também subespécies de pimenta, como a pimenta preta, na verdade, branca, verde e vermelha. Esta última não deve ser confundida com a pimenta caiena, também chamada de malagueta, também usada como tempero e condimento em muitos pratos.

Características


Pimenta é uma planta perene perene trepadeira nativa da Índia. Importado para a Europa por viajantes do passado, é conhecido desde a antiguidade, onde era utilizado para realçar o sabor dos alimentos e disfarçar os maus cheiros derivados da sua deterioração. A planta tem caule que pode atingir os dez metros e inflorescências, sustentadas por pecíolos, a partir dos quais se desenvolvem as bagas ou frutos. Na culinária e na fitoterapia, os frutos da planta são utilizados, inteiros, cortados em pequenos pedaços ou picados. Eles podem ser pretos, brancos, verdes ou vermelhos. A pimenta preta é obtida a partir de frutos verdes que são secos ao sol até atingirem a clássica cor escura, enquanto a pimenta branca é obtida a partir de frutos maduros macerados em água. Pimenta verde é obtida, em vez disso, da parte imatura da fruta, macerada em água e sal, enquanto a vermelha provém do processamento de bagas maduras que são maceradas em vinagre. Na área culinária, a pimenta-do-reino é muito utilizada, mas também a pimenta vermelha, que se utiliza em preparações à base de peixes, enquanto a negra é utilizada indiferentemente tanto em pratos de carne quanto de peixe. A pimenta-do-reino Always é amplamente utilizada na fitoterapia, por suas reconhecidas propriedades benéficas.

Constituintes


A pimenta preta contém um alcalóide, piperina, considerado o principal ingrediente ativo desta planta, óleos essenciais, incluindo pineno e limoneno, taninos, polissacarídeos, proteínas, minerais e derivados glicosídicos. As maiores propriedades da pimenta derivam da piperina, que se forma durante o processo de amadurecimento dos frutos. Desta substância derivam o cheiro picante ou picante e o sabor desta especiaria, muitas vezes associada à pimenta caiena ou pimenta vermelha. Este último contém outro alcalóide, a capsaicina, considerada menos «irritante» do que a piperina. Na verdade, as coisas são muito diferentes, porque a pimenta preta contém trezentas vezes menos alcalóides do que a pimenta vermelha. A piperina usada na fitoterapia é extraída da baga, que contém taninos e amidos,

Propriedade


Conforme mencionado no parágrafo anterior, a maioria das propriedades benéficas da pimenta-do-reino derivam da piperina. Isso é atribuído a propriedades restauradoras, adstringentes, expectorantes, digestivas e adelgaçantes. A ação da piperina ocorre em várias frentes. Esta substância é, de facto, estimulante do metabolismo, termogénica, potenciadora da absorção dos princípios nutricionais dos alimentos, potenciadora do sabor, digestivo e expectorante. A ingestão de extratos à base de piperina atua como um estimulante do metabolismo das gorduras, que são queimadas e eliminadas mais rapidamente, por isso falamos do efeito termogênico. Nesse sentido, a substância pimenta funciona como a cafeína. Além disso, o alcalóide realça o sabor dos alimentos, tornando-os mais saborosos. A piperina também tem a capacidade de estimular a secreção gástrica e enzimática favorecendo a absorção dos alimentos. É por isso que os extratos à base de piperina podem ser usados ​​para controle de peso e deficiências nutricionais. As propriedades da pimenta-do-reino também são reconhecidas pela medicina ayurvédica, que no passado a usava para tratar a obesidade e a escassez de alimentos. Poderoso estimulante da secreção gástrica, a piperina não deve ser utilizada em úlceras, gastrites e hemorróidas, enquanto seu efeito adstringente e antiespástico se expressa em casos de cólicas e diarréias. As propriedades da pimenta-do-reino também são reconhecidas pela medicina ayurvédica, que no passado a usava para tratar a obesidade e a escassez de alimentos. Poderoso estimulante da secreção gástrica, a piperina não deve ser utilizada em úlceras, gastrites e hemorróidas, enquanto seu efeito adstringente e antiespástico se expressa em casos de cólicas e diarréias. As propriedades da pimenta-do-reino também são reconhecidas pela medicina ayurvédica, que no passado a usava para tratar a obesidade e a escassez de alimentos. Poderoso estimulante da secreção gástrica, a piperina não deve ser utilizada em úlceras, gastrites e hemorróidas, enquanto seu efeito adstringente e antiespástico se expressa em casos de cólicas e diarréias.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.