Dicas

Orquídeas drácula

A orquídea «com o rosto»

A orquídea drácula é uma planta delicada, mas com um aspecto extremamente característico: esta planta particular deve o seu nome à presença, no interior da flor, de uma parte que lembra muito a conformação do rosto e do focinho. As flores da orquídea drácula podem ter grandes dimensões e são compostas por três sépalas unidas na base e com as pontas que se enrolam e se desenvolvem em forma de rolo. As sépalas têm cores extremamente variadas e são ricas em nervuras e ondulações: dependendo da espécie podem ser muito diferentes umas das outras. Até o momento, são conhecidas cerca de 130 variedades de orquídea Drácula, cujo nome inicialmente significava «pequeno dragão», mas que na cultura popular esteve ligada à figura do Conde Drácula, talvez por causa do rosto estranho e da necessidade de morar em áreas sombreadas. Na realidade, é difícil, até agora, estabelecer o número exato de variedades existentes, uma vez que novas variedades são freqüentemente descobertas nas florestas da América Central, onde essas flores se originam. Até onde sabemos, as orquídeas Drácula são plantas relativamente recentes: os primeiros espécimes foram descobertos em 1870, mas classificados como pertencentes ao gênero Mesdevallia; apenas um século depois eles foram classificados como uma espécie separada. Até onde sabemos, as orquídeas Drácula são plantas relativamente recentes: os primeiros espécimes foram descobertos em 1870, mas classificados como pertencentes ao gênero Mesdevallia; apenas um século depois eles foram classificados como uma espécie separada. Até onde sabemos, as orquídeas Drácula são plantas relativamente recentes: os primeiros espécimes foram descobertos em 1870, mas classificados como pertencentes ao gênero Mesdevallia; apenas um século depois eles foram classificados como uma espécie separada.

Cultivo


Desde a sua primeira descoberta, a orquídea drácula se espalhou por todo o mundo, apenas parcialmente dificultada pelo fato de que o cultivo nem sempre é fácil, principalmente se o clima for muito diferente do das áreas de origem. A orquídea drácula é de grande charme e tem um aspecto extremamente curioso que desempenhou um papel fundamental na sua difusão, mas seu cultivo, como acontece com todas as orquídeas, não é fácil por se tratar de uma planta muito delicada. Em condições ideais, essas flores não entram em repouso vegetativo e, portanto, continuam a se desenvolver ao longo do ano. As orquídeas Drácula têm necessidades específicas do ponto de vista ambiental, que variam ligeiramente de espécie para espécie. Geralmente, é importante manter as temperaturas diurnas em torno de 20 graus e as noturnas em torno de 10 graus mais baixas. A variação entre as temperaturas diurnas e noturnas é essencial para garantir a floração, enquanto as folhas precisam ser pulverizadas com frequência. O ambiente deve ser ventilado, mas sem correntes, para evitar o desenvolvimento de doenças fúngicas. A luz não deve ser direta ou muito abundante, ao contrário da água que deve garantir sempre um substrato úmido para a planta. A fertilização pode ajudar no desenvolvimento da orquídea, mas as quantidades devem ser mínimas por se tratar de uma planta que não tolera altas concentrações de fertilizantes. o ambiente deve ser ventilado, mas sem correntes, para evitar o desenvolvimento de doenças fúngicas. A luz não deve ser direta ou muito abundante, ao contrário da água que deve garantir sempre um substrato úmido para a planta. A fertilização pode ajudar no desenvolvimento da orquídea, mas as quantidades devem ser mínimas por se tratar de uma planta que não tolera altas concentrações de fertilizantes. o ambiente deve ser ventilado, mas sem correntes, para evitar o desenvolvimento de doenças fúngicas. A luz não deve ser direta ou muito abundante, ao contrário da água que deve garantir sempre um substrato úmido para a planta. A fertilização pode ajudar no desenvolvimento da orquídea, mas as quantidades devem ser mínimas por se tratar de uma planta que não tolera altas concentrações de fertilizantes.

Pote e solo


Para cada espécie de orquídea o tipo de vaso e solo são muito importantes e a orquídea drácula, neste sentido, não é exceção: as raízes devem poder receber iluminação e não devem ser constrangidas. Por isso, a solução ideal para o desenvolvimento da planta é a tela de arame, capaz de conter solo e raízes, mas deixar aberturas para a passagem de luz e ar, para a filtragem da água e também para o crescimento das flores, que também podem brotar na parte basal e até mesmo do substrato em qualquer direção. Uma camada de casca de árvore será colocada dentro da cesta metálica, sobre a qual haverá espaço para a quadra de médio porte que favorecerá o escoamento da água. Em vez disso, a camada superior será composta de esfagno, o que ajudará a manter sempre a umidade certa. As raízes das orquídeas crescem rapidamente e devem ter o espaço certo disponível, sem se sentirem constrangidas: a planta sofreria muito e poderia ficar totalmente comprometida. Por isso, o repoteamento é uma operação necessária quando as raízes começam a ocupar todo o espaço disponível, de forma a garantir-lhes espaço suficiente para crescer e evitar que fiquem muito comprimidas. Durante o repoteamento é importante garantir que as raízes não se partam: para facilitar esta operação é aconselhável proceder com o suporte ainda húmido. isso é necessário quando as raízes começam a ocupar todo o espaço disponível, de modo a garantir-lhes espaço suficiente para crescer e evitar que fiquem muito comprimidas. Durante o repoteamento é importante garantir que as raízes não se partam: para facilitar esta operação é aconselhável proceder com o suporte ainda húmido. isso é necessário quando as raízes começam a ocupar todo o espaço disponível, de modo a garantir-lhes espaço suficiente para crescer e evitar que fiquem muito comprimidas. Durante o repoteamento é importante garantir que as raízes não se partam: para facilitar esta operação é aconselhável proceder com o suporte ainda húmido.

Orquídeas Drácula: Reprodução


Na natureza, a reprodução da orquídea drácula ocorre através da polinização por dípteros, atraídos pelo cheiro e forma particulares da flor que em parte se assemelha a alguns cogumelos. A reprodução artificial não é impossível, mas é difícil e há grandes chances de falha, principalmente se realizada em um ambiente não ideal e, portanto, a partir de uma planta já testada e pouco resistente. Normalmente aproveitamos o momento de repotting, que ocorre aproximadamente anualmente, para viabilizar a divisão da planta. O novo espécime será então colocado em um vaso separado, onde terá a oportunidade de desenvolver suas raízes. A divisão envolve o uso de instrumental estritamente esterilizado, para evitar que os cortes causados ​​na raiz infeccionem: é um operação que causa sofrimento à planta e, portanto, deve ser realizada com cuidado para não comprometê-la. Os cortes devem ser limpos e decisivos e a nova planta assim obtida deve ter pelo menos sete folhas para sobreviver, ou seja, não deve ser excessivamente pequena.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.