Dicas

Orquídeas cattleya

A origem, a curiosa descoberta casual e as principais características.

A orquídea Cattleya deve seu nome a William Cattleya, um rico cultivador e colecionador inglês. Na verdade, parece que ele, entre algumas samambaias que mandou do Oriente, encontrou algumas plantas estranhas com folhas carnudas, que haviam sido usadas como material de embalagem. Ele então tentou cultivar algumas e conseguiu fazê-las florescer, percebendo que estava lidando com um novo gênero de orquídeas. Em sua homenagem, em 1824, o botânico John Lindley, a quem o deu para estudar, classificou o gênero com o nome de Cattleya. Provenientes das áreas tropicais da América Central e do Sul, em particular Colômbia, Venezuela e Brasil, existem na natureza cerca de 60 espécies com altura variável de 30 a 50 cm. Eles são divididos em dois grupos com base no número de folhas: monofoliados e bifoliados. O monofoliado, o mais conhecido, caracterizam-se por flores grandes, vistosas e com perfume intenso. Já as flores da bifoliata são menores, mas com formas e cores mais refinadas. Foto www.chadwickorchids.com

Como escolher o ambiente mais adequado para seu desenvolvimento.


Cattleya são plantas que podem ser cultivadas em ambientes fechados sem muita dificuldade, tanto que costumam ser recomendadas para iniciantes. São quase todas epífitas, o que significa que não vivem no solo, mas em outras plantas que utilizam simplesmente como suporte. São orquídeas simpodiais, ou seja, de crescimento horizontal, ou seja, têm um caule de crescimento constante, do qual brotam um ou mais caules eretos, chamados pseudobulbos, dos quais brotam uma ou duas folhas carnudas. Os pseudobulbos têm a importante função de armazenar nutrientes para fornecer energia à planta em caso de necessidade. Como todas as plantas epífitas, é cultivado em um composto à base de casca que permite uma boa aeração do sistema radicular. Para plantas adultas, os vasos devem ter cerca de 20 cm de diâmetro. Cattleya precisa de um ambiente quente-úmido com temperaturas entre um mínimo de cerca de 13,5 ° C e um máximo de cerca de 28 ° C. Eles não gostam de correntes de ar, que podem causar danos. Em vez disso, eles amam muito a luz, a luz solar direta é boa, mas apenas por algumas horas por dia. Foto www.rv-orchidworks.com

Técnicas de cultivo: rega e período de repouso.


A orquídea Cattleya deve ser regada regularmente, geralmente uma vez por semana, mesmo que no inverno, quando faz frio e a luz é fraca, seria aconselhável regá-la ainda menos, molhando-a somente quando o substrato de cultivo estiver completamente seco. De fato, no período que vai aproximadamente de outubro a abril, com intervalos mais curtos para algumas espécies, a Cattleya precisaria de um período de descanso para desacelerar o crescimento. Portanto, pouca água, mas muita luz e muito ar. No entanto, é sempre melhor dar menos água do que muito, uma das causas mais frequentes de morte é na verdade a rega excessiva que literalmente os afoga. Se você usar um pires, certifique-se de que a planta não esteja em contato direto com a água, talvez enchendo-a com pedrinhas ou argila expandida. É aconselhável fertilizar uma vez por semana nos meses que antecedem a floração. Foto www.flowerpicturegallery.com

Cattleya Orchids: Como ajudar a Cattleya Orchid a florescer e a se manter saudável.


Um dos problemas que assombram os cultivadores amadores é ter plantas que prosperam, mas não florescem. Quase sempre é um problema de duração excessiva da exposição à luz. Portanto, o tempo de exposição deve ser reduzido a partir de setembro, talvez cobrindo a planta à noite se a sala estiver iluminada. Não requer podas especiais, bastará para retirar as partes secas ou danificadas. Cattleya sofre naturalmente de todas as doenças características das orquídeas, mas em particular sofre ataques de cochonilhas e pulgões. O primeiro suga a seiva e pode ser neutralizado pela limpeza cuidadosa com algodão embebido em álcool, o segundo causa deformação das folhas e pseudobulbos e combate com aficidas específicos. Em geral, as doenças não parasitárias e as temidas infecções fúngicas são favorecidas por erros de cultivo, em particular pelo excesso de humidade, pelo que para manter a orquídea sã bastaria garantir as condições ambientais adequadas, prestando especial atenção à estagnação da água. . www.theorchidcolumn.com

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.