Dicas

Macieira – Malus communis

Generalidade

A história da macieira é muito antiga; parece que seu centro de origem está localizado em um

região montanhosa do sudeste da China onde, por meio da propagação da espécie Malus Sieversii, teria se desenvolvido o cultivo da macieira silvestre (Malus communis silvestris); exemplos que datam da Idade da Pedra foram encontrados na Suíça, Áustria e Suécia. A macieira faz parte da família Rosaceae (subfamília Pomoidee) e do gênero Malus, composta por cerca de trinta espécies, tanto frutíferas quanto ornamentais, espontâneas nas áreas temperadas da Europa, Ásia e América do Norte. Malus communis, nativa da Ásia Ocidental e Europa, é a principal espécie frutífera, incluindo a subespécie M. silvestris, à qual pertencem os cultivares de sidra amplamente difundidos na França e Alemanha, e Malus pumila, atribuível a cruzamentos de ocorrências espontâneas entre uma espécie nativa do Centro Ásia (M. Orientalis) e M. Sieversii. As seguintes variedades botânicas pertencem à última subespécie: domestica, à qual pertencem muitas variedades cultivadas, paradisiaca (macieira paraíso) e praecox gallica (macieira dolcino), ambas representando os progenitores de porta-enxertos clonais das séries East Malling e Malling Merton. Outras espécies utilizadas como cultivares polinizadoras e no trabalho de melhoramento genético são Malus baccata, de origem siberiana e muito resistente ao frio, e Malus floribunda, resistente à sarna (principal parasita da macieira); enquanto Malus dasyphylla (maçã selvagem da Itália) é o progenitor de maçãs de coalho, caracterizado por uma fruta achatada e um aroma particular. paradisiaca (macieira paraíso) e praecox gallica (macieira dolcino), ambas representando os progenitores dos porta-enxertos clonais das séries East Malling e Malling Merton. Outras espécies utilizadas como cultivares polinizadoras e no trabalho de melhoramento genético são Malus baccata, de origem siberiana e muito resistente ao frio, e Malus floribunda, resistente à sarna (principal parasita da macieira); enquanto Malus dasyphylla (maçã selvagem da Itália) é o progenitor de maçãs de coalho, caracterizado por uma fruta achatada e um aroma particular. paradisiaca (macieira paraíso) e praecox gallica (macieira dolcino), ambas representando os progenitores dos porta-enxertos clonais das séries East Malling e Malling Merton. Outras espécies utilizadas como cultivares polinizadoras e no trabalho de melhoramento genético são Malus baccata, de origem siberiana e muito resistente ao frio, e Malus floribunda, resistente à sarna (principal parasita da macieira); enquanto Malus dasyphylla (maçã selvagem da Itália) é o progenitor de maçãs de coalho, caracterizado por uma fruta achatada e um aroma particular. de origem siberiana e muito resistente ao frio, e Malus floribunda, resistente à sarna (principal parasita da macieira); enquanto Malus dasyphylla (maçã selvagem da Itália) é o progenitor de maçãs de coalho, caracterizado por uma fruta achatada e um aroma particular. de origem siberiana e muito resistente ao frio, e Malus floribunda, resistente à sarna (principal parasita da macieira); enquanto Malus dasyphylla (maçã selvagem da Itália) é o progenitor de maçãs de coalho, caracterizado por uma fruta achatada e um aroma particular.

Em todo o mundo, os maiores produtores de maçã são os Estados Unidos da América, enquanto na Comunidade, Itália, França e Alemanha produzem 70% das maçãs europeias. No hemisfério sul, a Nova Zelândia, a Austrália e a Argentina estão se tornando muito importantes como produtores de maçã e, dada a sua posição geográfica, podem competir fortemente com as maçãs refrigeradas europeias, podendo oferecer frutas frescas em nossos mercados na primavera. Verão. Em nosso país, o cultivo da maçã concentra-se em 90% nas seguintes regiões: Trentino Alto Adige, Emilia Romagna, Veneto, Campânia e Piemonte.

Características botânicas

A macieira é uma árvore muito vigorosa e pode atingir 10 m de altura, devido ao seu vigor é bastante lenta para dar frutos; é uma espécie caducifólia que entra em repouso vegetativo durante o inverno. O desenvolvimento é acrótono (as ramificações apicais prevalecem sobre as basais), com um hábito de crescimento ligeiramente ascendente e uma coroa em forma de cúpula.

As raízes são superficiais e rasteiras. Os botões podem ser lenhosos e floridos, os primeiros são pequenos e pontiagudos e os segundos ligeiramente maiores: na altura do início do inchaço, na primavera, nota-se a diferença; os botões florais são misturados, pois dão origem a folhas e inflorescências.

Os ramos são de diferentes tipos: a lamburda é um ramo muito curto que termina em botão de flor, o brindillo é um ramo delgado com um diâmetro aproximado de um lápis, um comprimento de cerca de dez centímetros e está equipado com botões mistos, ramos mistos são muito vigoroso com botões frutíferos e floridos. Na lamburde de alguns anos, nos pontos onde os frutos foram inseridos, forma-se uma espécie de bolsa de onde se abrem os botões das flores, de onde provêm outras lamburde; nos anos seguintes, esse ramo frutífero assume a forma de um pé de galo.

As folhas são alternadas, de cor verde escura, ovais, com margem serrilhada e ápice pontiagudo; o lado superior é liso com numerosas lenticelas, o inferior é peludo.

A inflorescência é um corimbo constituído por 4-9 flores, dotadas de uma roseta de folhas. As flores são hermafroditas, formadas por 5 pétalas branco-rosadas; a flor central do corimbo chama-se flor-rei: adere mais facilmente e dá frutos menos propensos a cair e de maior tamanho. A maioria das cultivares de maçã é autoestéril (o pólen da mesma flor não realiza a fertilização), portanto, variedades de polinização são necessárias. A polinização é entomófila, realizada principalmente por abelhas e outros insetos polinizadores.

O fruto é um pomo, que pode ser considerado um fruto falso, pois apenas parte da estrutura deriva do desenvolvimento do ovário; a maioria dos tecidos deriva da proliferação do receptáculo e em alguns casos do mesmo pedúnculo, na cavidade inferior nota-se a permanência do cálice. A pele do pomo, ou epiderme, assume cores variadas, do amarelo-ouro ao verde intenso, do vermelho-fogo ao roxo escuro; a cor pode ser disposta em listras, manchas ou uniformes em toda a superfície. O mesocarpo ou polpa, de cor branca ou amarela, pode ser azedo ou doce, aguado ou crocante, perfumado e farinhento. O endocarpo consiste em 5 alojamentos de consistência de cartilagem (núcleo), em que 1-2 sementes estão contidas, se o fruto deriva de um processo de fertilização, enquanto nos frutos partenocárpicos não há presença de sementes (frutos sem sementes). A parte comestível do punho inclui a epiderme e a polpa.

Fenologia, clima e solo

As fases fenológicas mais importantes da macieira são descritas a seguir.

Botão estável: em janeiro os botões estão fechados e cobertos por flocos castanho-escuros, a planta encontra-se em repouso vegetativo.

Quebra de gemas: os botões incham e mostram uma pontuação nítida nas escamas, as escamas internas são visíveis, ocorre em março.

Orecchiette de rato: os botões acabam de se abrir e as primeiras folhas têm o aspecto que justifica o nome; mesmo que as folhas ainda não tenham surgido, suas pontas são cerca de 10 mm mais altas do que as escamas dos botões.

Aglomerados aflorantes: no início de abril os botões estão abertos e, entre as folhas, avistam-se os botões de flores ainda fechados.

Botões rosa: fase antes da floração em que os botões destinados a dar as flores são rosa, os pedúnculos dos botões florais se alongam, as sépalas (semelhantes a pequenas folhas que estão abaixo das pétalas, constituem o cálice da flor) se separam e permitem que as pétalas se separem ser visto; então a flor do rei se abre.

Floração: ocorre no mês de abril: todas as flores do corimbo estão completamente abertas. O pólen fertiliza o ovário por meio de uma polinização cruzada operada por insetos polinizadores; é essencial que o florescimento do polinizador e da variedade escolhida seja mais ou menos simultâneo para aumentar a probabilidade de fecundação. Uma vez que essa fase ocorre, as pétalas caem naturalmente.

Frutificação: é a fase em que a flor é fecundada transformando-se em fruto, que cresce até atingir os 10-15 mm, sendo o central ligeiramente maior que os demais; a macieira tem uma percentagem de frutificação de 10-12%.

Frutos de noz: após a pega, o fruto começa a inchar devido à al
a divisão celular, atingindo o tamanho de 20-30 mm em junho.
Os frutos, porém, permanecem duros, com baixo teor de açúcar e alta acidez.

Inchaço dos frutos: os frutos voltam a crescer devido à distensão celular, passando a acumular açúcares, com diminuição da acidez e com início da hidrólise do amido.

Amadurecimento: os frutos atingiram o tamanho máximo, a cor típica da cultivar a que pertencem e o equilíbrio certo entre o teor de açúcar e a acidez; dependendo dos grupos de variedades, dura do final de julho a outubro.

Queda de folhas: ocorre entre os meses de novembro e dezembro, no final desta fase entra em repouso vegetativo até a primavera seguinte.

A macieira prefere climas temperados-frios e encontra seu ambiente de crescimento ideal nas regiões do norte da Itália, tanto nas planícies quanto nas montanhas, e em todo o norte da Europa. O cultivo em grandes altitudes, mesmo até 900 m acima do nível do mar, ou em áreas caracterizadas por fortes variações de temperatura entre o dia e a noite, de fato, nas variedades mais comuns, favorece a cor do fruto e aumenta o crocância da polpa . No sul da Itália a macieira não encontra as melhores condições de vida, é cultivada em solos frescos e irrigáveis, de preferência em áreas acidentadas ou montanhosas. Na serra, por falta de muita luz, a exposição a sul será privilegiada, a exposição sudeste e sudoeste é aceitável, enquanto a norte não é recomendada. Deve ser cultivada em solos frescos, de boa espessura e sem problemas de estagnação da água, mas,

A macieira é resistente às baixas temperaturas do inverno (até – 22, – 27 ° C) e, sua floração bem tarde (em abril), geralmente supera as geadas tardias; no entanto, é aconselhável evitar terrenos baixos (por exemplo, fundos de vales e depressões) porque nessas situações pode haver estagnação de ar frio que freqüentemente faz com que as flores caiam. As áreas com certa ventilação são ótimas porque, a menor estagnação de umidade, não favorece o desenvolvimento de crostas e o enrugamento da epiderme dos frutos.

A maioria das cultivares tem uma necessidade de frio (número de horas necessárias, a uma temperatura geralmente abaixo de 7 ° C de outubro a março, para a remoção da dormência de inverno) que fica em torno de 800-900 UF (unidades de frio).

A necessidade de água da macieira é bastante elevada, considerando que durante um ano a planta necessita de 600 mm de chuva, por isso costuma-se utilizar irrigação.

Características das cultivares

As variedades da macieira podem ser diferenciadas umas das outras de acordo com diferentes parâmetros que são descritos a seguir.

Na macieira as cultivares distinguem-se com base no habitus de crescimento, no padrão, que apresenta as características da macieira comum (hábito ligeiramente ereto e copa em forma de guarda-chuva), e no esporão, caracterizado por elevada densidade de lamburde , um desenvolvimento reduzido em altura e largura, uma postura ereta, uma entrada precoce na produção (cor mais cedo e mais intensa), uma poda de produção retardada e uma maior alternância de produção.

Variedades de maçã também têm um método de frutificação diferente: prevalência de lamburde (espora Red Delicious), prevalência de brindilli e lamburde (padrão Red Delicious, Stayman), prevalência de brindilli e ramos mistos (Gala, Golden Delicious, Imperatore ou Morgenduft, Granny Smith) e todos os tipos de ramos frutíferos (Fuji, Braeburn).

Os grupos varietais também se distinguem de acordo com o período de maturação que pode ser verão (do final de julho ao final de agosto), outono (do início ao final de setembro) e inverno (do início ao final de outubro. )

As cultivares de verão são: Gala (grupo da Nova Zelândia), Rubens e Sansa (é a mais antiga); entre as de outono, que representam 75% da produção global, os principais grupos são: Golden Delicious, Red Delicious e Jonagold; enquanto as de inverno são a japonesa Fuji, a Nova Zelândia Braeburn, a americana Granny Smith e Imperatore e a Annurca (uma antiga cultivar da Campânia com fenômenos de produção alternada).

As maçãs «resistentes à crosta» são: Florina, Enova, Primiera, Golden Orange e Brina.

As variedades Braeburn e Fuji têm floração precoce, sendo intermediária no caso da Gala, Golden Delicious, Red Delicious e Granny Smith; os três últimos têm boa capacidade de polinização, ao contrário de Stayman e Renetta, do Canadá. Recentemente, cultivares específicos não são mais usados, mas o papel dos polinizadores é confiado às macieiras com flores ornamentais.

As variedades de maçã são classificadas de acordo com as fichas de dados pomológicos, que descrevem o tamanho (pequeno para a Annurca, médio para o Dourado e Red Delicious, grande para o Imperador), a homogeneidade, a simetria, a forma longitudinal e o punho transversal. Os parâmetros da casca são a cor (amarelo Golden Delicious, verde Granny Smith), o blush (vermelho Red Delicious) e o tipo (por exemplo estriado no grupo Fuji), a espessura e a percentagem de carepa (Stayman).

A polpa é descrita por sua crocância (Braeburn, Fuji), textura (farinha imperadora), suculência, sabor doce (Fuji) e sabor azedo (Granny Smith).

As fichas de dados pomológicos também sublinham parâmetros como qualidade (teor de açúcar, acidez e hidrólise do amido), fisiopatias (Florina e Annurca sensíveis à corrosão, Stayman está sujeito a divisão perto da colheita), conservação (pouco, em média e muito longo duradouro), o juízo agronômico e o de commodities.

As maçãs são principalmente utilizadas para consumo in natura, outras utilizações são industriais (sumos, compotas), cozinha e cidra, esta última raramente produzida em Itália.

No que se refere ao consumo in natura, o consumidor exige os seguintes requisitos: bom-excelente tamanho e cor intensa, excelentes características organolépticas com polpa suculenta, doce, consistente e não farinhenta; ausência de ferrugem, danos causados ​​pelo sol, rachaduras, fisiopatias, campo aberto residual ou tratamentos refrigerados. Dada a presença abundante no mercado de cultivares de outono, as perspectivas podem ser: aumentar a produção de variedades de verão já conhecidas pelo consumidor como o grupo Gala, explorar variedades locais resistentes à sarna para obter um produto de baixo impacto ambiental a ser comercializado com um selo que ateste a sua qualidade.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar