Dicas

Filosofia zen

Filosofia Zen: informações gerais

A filosofia Zen, aplicada à criação de jardins, segue regras muito específicas. Este tipo de jardim remete ao que se denomina cultura Zen. Um ambiente onde poderá experimentar o seu bem-estar interior graças à correta disposição dos elementos naturais. De modo geral, por meio da filosofia Zen, são criados lugares que seguem as estações do ano e mudam em relação ao universo. Todos os ambientes naturais são diferentes uns dos outros, mas em todos há uma sensação de calma e paz. O jardim Zen por excelência é o Karesansui. É constituído por dois elementos: areia (não o tradicional) e pedras; é muito simples e fácil de recriar; entretanto, é necessário levar em consideração os princípios básicos do Zen. Cada elemento tem um significado preciso, bem como as linhas contínuas traçadas na areia, a posição e conformação das rochas, a criação de fontes etc. .

Filosofia Zen: elementos e seus significados


A filosofia Zen associada à criação de jardins exprime-se através da utilização de elementos naturais capazes de expressar as condições do seu estado interior. Utiliza três elementos principais, tais como: água, rochas e vegetação. A água é um símbolo de vida, pode ser introduzida no seu jardim através de lagos ou fontes; de acordo com a realização da fonte, um som muito preciso é reproduzido. Sem este elemento, não se pode prescindir e ele deve fluir de leste a oeste ou permanecer estacionário. Lagoas e fontes representam fortuna econômica; se ultrapassar as fontes de água, isso significa choro. As rochas devem ser dispostas de forma a sugerir que essa sempre foi sua posição. Em torno deles, e em todo o jardim, podem-se fazer linhas na areia; se ondulados, simbolizam a presença de um dragão da sorte. Verde é usado para afastar energia negativa, como árvores ou cercas de madeira. É bom lembrar que não é conveniente plantar uma árvore com espinhos, pois estes carregam energias negativas.

Filosofia Zen: o que significa criar um jardim Zen


No último período, há uma abordagem mais ampla do que é chamado de filosofia Zen e, por meio dela, o número de jardins Zen que são criados a cada ano aumenta. Porém, antes de prosseguir com a criação deste tipo de jardins, é necessário ter adquirido o conhecimento das bases desta cultura, o significado de todos os elementos e a forma de os combinar. A manutenção de um jardim Zen não é complexa, até porque se trata de uma estrutura muito minimalista e essencial, que cria uma espécie de ligação com o nosso íntimo. Depois de documentado, pode-se prosseguir com a construção deste tipo de jardins. É sempre útil lembrar que o jardim deve se aproximar das estações,

Filosofia Zen: tipos de jardins Zen


Tendo adquirido a filosofia Zen tipicamente oriental, é conveniente estar ciente da presença de mais jardins Zen. Todos com características estéticas diferentes, mas com os mesmos princípios básicos da cultura tipicamente oriental. Entre os principais tipos de jardins estão: os secos, os japoneses, os de cerimônia do chá e os modernos de meditação. No Ocidente, o espaço externo da própria casa não tem um significado real, pelo contrário, serve única e exclusivamente para embelezar a área externa. No Oriente, ele assume um significado e um uso muito mais profundos do que comumente se pensa. O jardim Zen seco (Karesansui) é composto principalmente de areia e pedras. O jardim japonês é constituído principalmente por musgos, fontes, pontes e árvores que florescem exclusivamente na primavera. O jardim da cerimónia do chá é composto por um caminho pavimentado em pedra, rodeado de árvores perenes e musgos, e uma humilde cabana, muito rústica e minimalista. Finalmente, o jardim de meditação deve ser estritamente composto de areia de mármore branco, as rochas devem ser ímpares e bem arredondadas.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar