Dicas

Desnaturação Urbana: Desafios e Realidades

Olá a todos! O que é isso de natureza urbana? Na última sexta-feira, dia 21 de abril, tive a honra de assistir a uma das palestras que fazem parte do Curso Internacional de Agroecologia, Soberania Alimentar e Cooperação para o Desenvolvimento Rural organizado pelo CERAI   na Escola Técnica Superior de Engenheiros Agrônomos de Madrid. A palestra que tratou de Natureza Urbana e Cidades Verdes foi ministrada pelo Professor Julián Briz , Presidente do PRONATUR.

OS DESAFIOS DA NATURAÇÃO URBANA

O professor começou observando que hoje o termo ‘cidade verde’ pode parecer estranho, distante e impossível, mas, na realidade, as cidades sempre foram verdes até há relativamente pouco tempo . O desenvolvimento urbano tem levado à perda de muitas áreas rurais, áreas naturais ou pomares que circundavam o centro da cidade, com os prejuízos que isso acarreta.

Do meu ponto de vista, o desenvolvimento é necessário, pois a sociedade o exige (estima-se que em 40 anos 80% da população mundial será urbana);  No entanto, isso não deve levar à perda da natureza que nos rodeia.

Somos capazes de inventar coisas inimagináveis, de clonar animais, até de teletransportar átomos … Por que não seremos igualmente hábeis em conseguir cidades sustentáveis ​​perto da natureza que tanto amamos?

Se uma coisa está clara, é que hoje vivemos em cidades insustentáveis, com grande dependência do fornecimento de matérias-primas e alimentos cada vez mais produzidos em regiões distantes e que, conseqüentemente, vêm acompanhados de uma pegada cada vez maior de carbono. Por que não levar comida para a cidade?

A agricultura urbana apresenta-se como uma solução para este sistema insustentável, não só pela própria produção alimentar e pela segurança alimentar (garantia alimentar) que acarreta, especialmente nas zonas marginais, mas pelos montantes de benefícios que pode trazer ao urbano. ecossistema. 

Assim nasceu o conceito de “Agricultura Urbana Integral” (doravante AUI) que combina alimentação e ornamentação por meio da coleta de produtos agrícolas, pecuários e florestais dentro do ambiente urbano.

O Professor Briz comentou que a AUI tem tradicionalmente desenvolvido a sua atividade ao nível do solo, no entanto, cada vez menos áreas estão disponíveis para tal. Novas tecnologias e materiais permitem a “agricultura em altura”, ou seja, em telhados, fachadas e até no interior de edifícios . E por que? Porque a UAI tem um forte componente ambiental, socioeconômico e recreativo.

Certamente é muito mais caro produzir um quilo de tomate na planta 48 da Torre Espacio, no coração do Paseo de la Castellana em Madrid, do que em uma estufa em Almería; Porém, com esse quilo de vegetais estamos eliminando poluentes de um ambiente doente, reduzindo as alterações climáticas, ajudando a melhorar a saúde das pessoas que os cultivam, promovendo a comunicação e o relacionamento entre os participantes, ensinando os valores da natureza e da natureza. mundo que já está muito longe, reduzindo a pegada de carbono (não precisa de longos transportes) e melhorando o manejo dos resíduos, já que a floresta provavelmente servirá de fertilizante para as próximas safras …

… E tudo isso não tem preço.

Felizmente para todos, a UAI está se expandindo gradualmente como a «nova revolução agrária silenciosa», representando um desafio político, social, técnico e tecnológico para os membros de todos os setores profissionais.

Precisamos da integração do conceito de  GreenCity («Cidade Verde») ao de SmartCity  («Cidade Inteligente») para alcançar um sistema urbano inteligente, sustentável e agroclimática eficiente. 

Para isso, a gestão deve se basear em três pilares fundamentais: pesquisa, formação e integração social. O tridente universidade – sociedade – empresa é fundamental para que este «renascimento» da agricultura e da ressaturação urbana seja finalmente uma realidade e não uma utopia.

Julián Briz destacou a importância de acompanhar esse sentimento com políticas e movimentos sociais que reivindicam a necessidade de implantação de sistemas verdes nas cidades de todo o mundo . Não estamos muito longe de alcançá-lo, basta colocar um pouco de interesse e conseguir os recursos econômicos para ir nessa direção, priorizando os projetos verdes.

«Querer é poder»

Por fim, gostaria de dar os parabéns e agradecer ao Professor Briz por me fazer desfrutar de uma aula como não fazia há muito tempo, e que eram às 16h de uma ensolarada sexta-feira de abril!

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.