Dicas

Cavolaia

O jardim e os habitantes

Quando decidimos equipar nossa casa com um jardim, não optamos apenas por ter um pedaço da natureza só para nós, tentando cuidar dela como um hobby, mas também desejando receber em troca aquela serenidade que só a natureza pode dar aos alma. humana, mas com essa escolha não criamos um ecossistema, e nos tornamos parte dele. Admirando o nosso jardim, vemos: as plantas, os bancos, a fonte, a criança, as pedras, as plantas e, se tivermos sorte, até alguns passarinhos; mas por trás de tudo isso há mais, muito mais. Na verdade, o jardim contém talvez milhões de habitantes, e não estamos a falar dos jardins do Palácio Real de Caserta, porque esses «milhões» não se referem ao ser humano, mas a outras formas de vida que no entanto são muito preciosas para a sobrevivência. no equilíbrio correto do próprio jardim: são insetos, bactérias, pequenos animais, fungos e tudo o que escapa aos nossos olhos, mas não as leis da Natureza. Infelizmente, a relação entre o ser humano e alguns desses outros «habitantes» nem sempre é feliz e alegre, tanto porque alguns deles perturbam diretamente a paz humana (classicamente os mosquitos, ou abelhas e vespas), quanto porque outros perturbam de certa forma «Indireto «, mas frequentemente irritante de qualquer maneira.

Ataques a plantas


Dito de ataques diretos como picadas e semelhantes, que se resolvem em muito pouco tempo com alguma pomada ou mesmo sem, os ataques indiretos às vezes correm o risco de danificar coisas muito mais importantes, a ponto de criar até graves desequilíbrios econômicos. Referimo-nos às interações entre plantas e insetos ou fungos que veem a própria planta sucumbir sob a presença das outras duas, o que pode tanto arruinar a estética da planta como até levá-la à morte por se apossar de todos os nutrientes. Bem, no caso de uma horta isto é certamente grave, porque a componente estética de uma horta é muito importante, mas é ainda mais se isso acontecer nas culturas profissionais, onde a colheita é o único bem que a quinta possui. Se se perder, quem vai pagar a empresa pelo trabalho? É claro que nem os insetos nem os fungos estão cientes de tais cenários, mas eles costumam causar pequenos / grandes desastres econômicos, por isso estamos estudando como limitar as consequências de seus «ataques» ou como evitá-los completamente. As formas de combate a essas doenças podem ser divididas em dois grandes grupos, os baseados em produtos químicos e os baseados na biologia.

O repolho

O nome vulgar e vulgar deste inseto dá facilmente uma ideia de qual é o alvo preferido e mais frequente deste inseto: a couve-flor. Isso provavelmente não é de conhecimento público, mas é certo que nossos avós (muitos dos quais certamente passaram pelo menos a primeira parte de suas vidas ajudando suas famílias no campo) sabem perfeitamente do que estamos falando. Na verdade, o nome científico do repolho é Pieris Brassicae e descreve um inseto que poderia muito bem ser confundido com uma mariposa: tem uma cor esbranquiçada ou no máximo ligeiramente cinza (dependendo da época em que nasceu e do sexo) com estrias pretas no topo, nos machos ou duas manchas (uma por asa) nas fêmeas, voa graciosa e graciosamente e é fácil de encontrar, mesmo em campos não cultivados ou prados abertos. Esta é a forma adulta, mas como sempre acontece, o que causa o maior dano é o estado larval dos insetos; com o repolho isso não muda: as larvas da Pieris brassicae (prima muito próxima da Pieris rapae, que infesta nabos) são fitófagas, ou seja, comem as folhas da planta que infestam – o repolho – até sobrar apenas o veias maiores, e isso pode nos fazer entender como isso impede a planta de crescer e dar frutos.

Repolho: luta e remédios

As infestações do repolho podem ser diagnosticadas de várias maneiras: em primeiro lugar, a forma adulta, como descrevemos, é muito visível e reconhecível, mas, acima de tudo, tanto os ovos quanto, posteriormente, as larvas podem ser vistas na parte inferior da as folhas das plantas sob ataque em ação. Os ovos são pequenos e de cor clara, geralmente em número baixo (até um máximo de dez por folha) e espalhados individualmente, enquanto as larvas são pequenos vermicelos que comem a folha roendo-a para crescer rapidamente. Os ataques ocorrem no período entre março e novembro, pois nesses meses ocorrem duas gerações completas de repolho. O remédio que pode ser implementado é do tipo químico quando a infestação é massiva, ou quando há presença de grande número de indivíduos em pequeno número de plantas;

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.