Dicas

Até 60 milhões de euros de multa para aqueles que estão eletricidade auto-suficiente sem pagar Iberdrola

A nova reforma energética do governo terá muitos efeitos colaterais. Entre eles, o de criar um novo grupo de bandidos: os «criminosos solares». Isso fica claro no Decreto Real (RD) sobre autoconsumo e produção com autoconsumo tornado público. Nele, quem tiver painel solar na cobertura ou qualquer outro sistema próprio de produção de energia elétrica renovável deve se cadastrar para começar a pagar o novo “ pedágio reserva ” (termo cunhado pela Iberdrola). Quem o não fizer pode ser penalizado até 60 milhões de euros.

A desproporção da medida é evidente e só pode responder às exigências das grandes empresas de electricidade, com a Iberdrola à frente (# Tepillamosiberdrola ). A intenção é erradicar qualquer possibilidade de autonomia energética para os consumidores , o que iria contra os interesses econômicos da Iberdrola e das demais empresas da UNESA. Bastaria que cada vez mais cidadãos passassem a gerar a sua própria eletricidade em casa (agora mais barata) e deixassem de consumir a que provém do gás, do carvão ou das centrais nucleares destas grandes empresas. Que audácia!

Este RD terá consequências. A primeira: muitas pessoas removerão diretamente os painéis solares de seus telhados . Embora também tenha o efeito contrário: fará com que outros decidam não cumprir a norma e serão considerados criminosos solares. Apesar de o sol pertencer a todos, a Espanha será o primeiro país do mundo onde não pode ser usado livremente. E isso graças à Iberdrola e à UNESA. Mas o pior é que foi ratificado por texto legal do nosso Governo.

Infelizmente, o DR do autoconsumo não é o único que visa acabar com o futuro renovável e sustentável de nosso país . Em duas semanas o Governo, através da Comissão Nacional de Energia, enviou 14 textos normativos que pretendem ser a reforma energética «definitiva». Num exercício de falta de transparência e participação, querem que os cidadãos e consumidores aceitem um absurdo deste calibre. Se essas regras e leis forem finalmente validadas, elas nos levarão de volta ao vagão da cauda em questões de energia. Por esta razão, o Greenpeace e o resto das organizações ambientais deram a conhecer ao Governo a sua rejeição absoluta à reforma. Do Greenpeace continuaremos trabalhando para devolver a Espanha ao caminho que liderou, e que agora está sendo seguido por países como a Alemanha ou a Dinamarca. Ou seja, conseguir um sistema de energia eficiente, inteligente e 100% renovável o mais rápido possível.

Julio Barea @juliobarea, chefe da campanha de Energia e Mudanças Climáticas do Greenpeace

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar