Dicas

TV Agrohuerto sala de aula visita Huerto Cantarranas

Bom dia a todos os Agrohuerters! Seguindo um pouco o tema do artigo anterior sobre o Campo de la Cebada, vou falar sobre as sensações que experimentei na Huerto aula de Cantarranas . Como eu disse da última vez, essa história tem muito a ver com a realidade e pode te ajudar um pouco a saber por onde começar se você quiser visitar este espaço legal.

Sexta-feira, 23 de maio de 2014: Primeira visita ao jardim das Cantarranas

Nuvens, muitas nuvens, talvez demais para o tempo que esteve durante a semana … Lucía Muñoz e um garçom haviam combinado uma visita ao pomar da classe Cantarranas , tivemos sorte de estarmos a poucos passos de nossa universidade cruzando o campo de rúgbi do mesmo nome porque ali circulava o ribeiro das Cantarranas (um pouco de história também não faz mal).

Quando chegamos ao portão de entrada, fomos surpreendidos por um transportador da UCM , muito arrependido pela falta de recursos na universidade, seu velho Mercedes não era mais o mesmo, era época de eleições e o cenário estava tumultuado com greves de alunos, leiteiras na porta do Reitor etc … Estávamos pensando muito no nosso trabalho jornalístico e entramos, vimos algumas crianças na área de piquenique na entrada , o jardim também serve de berçário e a verdade é que é muito bom para as crianças aprenderem desde os pequenos de onde vem as coisas … (lembro-me de quando tinha 10 anos e fui para uma quinta escolar, dos rostos espantados dos meus colegas ao verem que o leite saía das vacas etc …).

Passamos pela estufa procurando um rosto amigo para explicar um pouco o que se cozinhava ali, tinha muita gente, grupos de trabalho preparando um galpão de ferramentas, centros psiquiátricos trabalhando nos terraços, etc. O panorama me fez cortar um pouco com a câmera, não sabia se tinha a permissão necessária para poder gravar alguns grupos e de certa forma me senti um pouco perdido caso estivesse fazendo algo «ruim» na hora de gravá-los. pessoas em seu trabalho diário.

A surpresa geral veio quando uma enorme tromba d’água caiu sobre nós e tivemos que nos refugiar na estufa . Sob a estrutura de metal e plástico, quase 30 pessoas viveram juntas entre os trabalhadores do pomar e a equipe da UCM por cerca de 20 minutos. A atmosfera estava incrível, quase mágica, ouvindo as gotas batendo em um plástico que revelava toda a fúria da tempestade. Assim, na introdução da seção visitando pomares de canal, tive que incluir um fragmento daquele vendaval, no qual duvidei um pouco sobre a integridade de nosso abrigo.

Depois da tempestade, saímos para ficar de olho na plantação , esquivando-nos das gotas d’água com um capuz sobre a câmera para não estragar o precioso empréstimo do meu amigo. Informamos os líderes do grupo sobre o nosso trabalho jornalístico , demos uma volta pela área para ver tudo o que existe e saímos após cerca de 2 horas de visita.

Sexta-feira, 30/05/2014: segunda visita ao jardim das Cantarranas

Outra sexta-feira nublada, desta vez mais preparados para um possível colapso atmosférico e estocando lanches e refrescos para outra possível espera mais agradável debaixo do plástico. Nosso colega Daniel Horcajo nos acompanhou para aprender as sofisticadas técnicas jornalísticas da equipe , pois em poucas semanas tiraria Lucía de seu cargo.

As mesmas pessoas trabalhando no pomar da semana anterior, mas desta vez tínhamos dois especialistas da UCM para atuarem como guias naquele mar de terraços. Os líderes dos grupos dos centros de reabilitação psiquiátrica e psicossocial deram-me a permissão necessária para registrar suas atividades, o que foi um grande alívio pessoal não só para o meu bem-estar moral, mas também porque as gravações da semana anterior não haviam sido feitas. Só para o caso de eu ter cortado uma infinidade de frutas para fazer máscaras improvisadas para que você pudesse ver tudo o que era feito naquele pomar da sala de aula , ainda bem que não foram necessárias porque o vídeo teria sido desastroso com aquela falha crítica).

A verdade é que conhecer essas pessoas foi uma grande experiência para nós, os meninos fizeram de tudo e com muito entusiasmo , não paravam de brincar e nos entreter, ficavam felizes por estarmos ali gravando o trabalho deles e também vimos a determinação com quem os realizou e a vontade que tinham de cuidar do jardim e do ambiente . Em suma, eles nos deixaram hambúrgueres.

Com tudo isso, fizemos um passeio muito ilustrativo com os expertos do jardim , eles nos explicaram que cada terraço é transportado de uma maneira, pois utilizam uma infinidade de técnicas ecológicas como o método biointensivo , paredes de crista , a fabricação de vermicomposto e alguns menos ortodoxos como usar a ferrugem para irrigar o composto e, assim, enriquecer seu conteúdo de nitrogênio . É um método muito interessante e eficaz, não adequado para os mais escrupulosos.

E depois de mais 3 horas de visita, aqui está meu resumo de 03:41 (também deixo para vocês os artigos de Lucía e Dani, que são certamente muito mais ilustrativos que os meus):

Manejo ecológico em Huertaaula Cantarranas

Uma horta comunitária em Madrid: huertaula Cantarranas

Um pouco mais, pessoalmente este tem sido o pomar que mais gostei de todos os visitados pelo ambiente que possui, a quantidade de pessoas que trabalham com tanto entusiasmo e entusiasmo, a tremenda oferta de atividades formativas e oficinas que estão oferecidos por autênticos profissionais como professores e técnicos da UCM.

Por tudo isso você tem que ir na sexta-feira para visitá-lo, espero que não chova

Uma saudação!

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.