Dicas

PODA Árvores: e QUANDO E Feito como e Ferramentas Necessárias

O que é poda? A poda consiste essencialmente em remover uma parte de uma árvore, um arbusto ou uma planta com flor para ajudar a natureza no sentido e na direção que são úteis ao homem.

Consiste no conjunto de operações que são realizadas diretamente no esqueleto ou na copa das plantas para:

  • Modificar e / ou controlar o tamanho, limitar o crescimento da planta
  • Forme a planta e regule a quantidade de flores e frutos
  • Melhore a qualidade das frutas
  • Regular a frutificação todos os anos

O artigo a seguir tentará fornecer uma série de conceitos básicos de poda de frutas , para ajudar o leitor a responder a três questões muito importantes:

Por que, quando e como deve ser podado?

Quais ferramentas são necessárias para podar?

Em todos os casos, as ferramentas devem permitir um corte limpo, sem rasgar o galho, para o qual devem ser bem afiadas. Após o uso, devem ser limpos, desinfetados e lubrificados para melhor conservação.

A desinfecção das ferramentas uma vez utilizadas é importante para evitar a transmissão de doenças de uma planta para outra. Você pode manter suas ferramentas limpas simplesmente limpando-as com álcool etílico ou água sanitária a 50%.

 Superfícies de corte maiores que 5 cm de diâmetro devem ser seladas com tinta à base de água contendo fungicidas ou algum produto cicatrizante. Algumas misturas que podem ser usadas são:

  • Oxicloreto de cobre (pasta feita com oxicloreto de cobre e um pouco de água)
  • Tinta látex
  • Tinta látex + fungicida Captan (1 litro de Látex + 80 gramas de Captan 80% WP)

Quando podar? Tempo e regras gerais para poda

Dois tipos de poda podem ser distinguidos com base no tempo de conclusão:

1.- Poda de inverno: pode ser feita no outono das últimas folhas, até o final do inverno quando os botões ainda estão em repouso.

2.- Poda “a verde”: realiza-se na fruteira com folhas. Dependendo do objetivo perseguido, existem dois momentos distintos para a sua concretização:

  • Poda do final da primavera: é realizada apenas para eliminar brotos indesejáveis ​​(rebentos) que competem com o desenvolvimento normal do fruto.
  • Poda de outono: realiza-se após a colheita para aumentar a entrada e distribuição da luz no interior da árvore e assim conseguir uma melhor qualidade dos rebentos frutíferos para a época seguinte. Também serve para reter o crescimento da copa, uma vez que a árvore tenha atingido a altura desejada e o espaço correspondente.

No caso de uma fruticultura familiar, o manejo das plantas, embora deva favorecer a fruticultura, não é tão rígido como no caso de uma fruticultura de produção extensiva. Para as árvores frutíferas da horta familiar, vamos considerar, a seguir, algumas questões básicas que melhoram o seu desenvolvimento:

  • A poda deve favorecer a entrada de luz e ar por todo o dossel, deixando apenas os ramos-guia necessários à manutenção da estrutura.
  • As plantas frutíferas devem ter um equilíbrio entre a parte floral (que acabará por dar frutos) e a parte vegetativa (folhas).
  • Devem ser retirados ramos velhos e «rebentos» , que são ramos longos, vigorosos, ligeiramente lenhosos, com poucos botões que crescem verticalmente, geralmente junto a um corte ou nas laterais de ramos grossos ou a partir da base.
  • Forme uma xícara não muito alta que permita a coleta adequada dos frutos. Para tanto, podem-se cortar galhos grossos e altos e / ou dobrar os galhos mais flexíveis para diminuir a circulação da seiva e gerar mais botões florais .
  • Não permita ângulos muito fechados entre os ramos (idealmente mais de 45º).
  • Os novos ramos que se desenvolvem em ambos os lados dos ramos mais grossos não devem ficar muito próximos uns dos outros (separação de 15 cm ou mais).

Antes de entrar em detalhes sobre como as diferentes espécies devem ser podadas, é importante distinguir os tipos de poda existentes, levando em consideração sua finalidade:

 

Tipos de poda

A) Poda de treino: é feita na planta jovem para orientar o seu desenvolvimento. É realizada nos primeiros quatro anos após o plantio, e nessa etapa é priorizada a formação da estrutura da planta, selecionando os ramos principais que formarão a estrutura final.

Esboço de um treinamento do 1º ao 4º ano

B) Poda da frutificação : tem como objetivo melhorar o desenvolvimento dos botões florais, preservando o equilíbrio entre a produção de frutos e folhas. Tem características diferentes para as árvores de fruto de pim e para as de caroço, como será explicado mais tarde. Essa poda é realizada desde a entrada em produção da planta.

C) Poda de rejuvenescimento: é realizada com a árvore já formada, eliminando rebentos, galhos quebrados, velhos ou doentes. Pode ser feito no final da colheita e aproveitar para eliminar galhos velhos e dar oportunidade para novos galhos. Também aqui, os ramos podem ser podados para limitar a altura da coroa e a extensão do ramo guia.

Como devo fazer os cortes?

Quando um galho ou galho é podado, ele é cortado acima do botão para ser favorecido em aproximadamente um centímetro, com a inclinação que o protege da queda de água e terra.

No caso de ramos grossos, os cortes são feitos de forma a facilitar a cicatrização da ferida, procurando não deixar o coto mesmo que o corte comece na forquilha. A poda começa com um corte, até quase metade do seu diâmetro, na parte inferior (corte a) e cerca de 20-30 cm do tronco de onde se origina; cerca de 10 cm mais para fora e de cima é feito um novo corte (b) que permitirá a separação do galho, que se parte com o próprio peso sem desprender a casca. Cortando (c) o coto restante é removido.

Agora, tendo as noções sobre os tipos de podas e como fazer os cortes, vamos explicar como cada espécie em particular deve ser podada:

Pêssego ou pessegueiro

Os botões frutíferos localizam-se no ramo de um ano, são arredondados e maiores que os vegetativos. Ambos aparecem agrupados em caules vigorosos e solitários em galhos finos. Em geral, as plantas mal podadas ou podadas florescem principalmente nas hastes no topo da copa.

A poda anual produz a renovação dos ramos frutíferos. O desbaste de ramos danificados, fracos e mal localizados ou com crescimento excessivo permite clarificar a copa. O moderado encurtamento dos ramos remanescentes permite a formação de novos caules que frutificarão no ano seguinte. A poda muito intensa reduz o número de flores e enfraquece a planta.

Ameixa japonesa

Ele frutifica, ao mesmo tempo, em ramos longos e curtos (buquês). Em geral, necessita de um desbaste meticuloso, retirando ramos supérfluos e encurtando até 50% da vegetação do ano anterior. A maior luminosidade favorece o crescimento de buquês frutíferos.

Damasco ou damasco

Os botões frutíferos dos ramos de um ano são semelhantes aos do pessegueiro, também frutifica em cachos localizados em ramos de um ano ou mais.

O desbaste melhora a luminosidade no interior da copa, o encurtamento de 30% das hastes restantes favorece a formação de novos ramos.

árvore de maçã

A frutificação origina-se de um botão misto que produz várias flores e um botão, este botão é arredondado e geralmente se localiza na ponta de ramos curtos de dois ou mais anos. Existem outras formações que podem dar origem a botões frutíferos, no caso das “bolsas”.

Esta espécie não requer, em geral, uma poda intensa, que inclui o desbaste de alguns ramos e o encurtamento de certos caules.

pereira

Ela fica mais alta que a macieira e sua poda é semelhante. O afinamento do vidro melhora a entrada de luz e ar, o que favorece o amadurecimento uniforme dos frutos. O encurtamento de 30% dos caules da última brotação favorece a formação de ramos floríferos.

A figura a seguir mostra alguns cortes que podem ser feitos nesta espécie:

cereja

Os buquês de um e dois anos são podados curtos (para um terço) e ramos de três anos ou mais são preferidos; Os buquês de maio não são podados, eles só são desbastados se estiverem muito próximos ou mal orientados.

Árvores de marmelo e nogueiras

Eles requerem uma poda de manutenção leve para corrigir o desenvolvimento da copa. Deve-se observar que a frutificação ocorre nas extremidades dos ramos.

Poda de frutas cítricas

Poda de formação

A poda de treino pode ser feita no viveiro ou pelo próprio comprador. Os objetivos do treinamento de poda são formar uma estrutura de suporte adequada para suportar o carregamento futuro da árvore.

O outro objetivo da poda ao receber as plantas do viveiro ou quando são arrancadas no viveiro é equilibrar a parte aérea da planta com as raízes que foram podadas ou aparadas durante a extração da linha do viveiro.

As etapas a seguir são:

  1. a) Corte com 50 cm de altura para favorecer o desenvolvimento dos ramos laterais.
  2. b) Deixe 3 a 4 ramos laterais dispostos equidistantes.
  3. c) Brotos encurtados.

Poda de frutificação em plantas adultas

A melhor época é no final do inverno e antes do surgimento dos botões da primavera. Em geral, é conveniente fazer após a colheita. Isso é fácil de conseguir em variedades de colheita precoce e de meia temporada. No caso de produção tardia, deve-se decidir entre sacrificar parte da produção do ano em benefício da próxima safra ou ter a produção total e perder parte do ano seguinte, pois o fruto já deve estar podado. e quase maduro (inverno) na planta ou com a planta com pequenos frutos recém-plantados (primavera – verão).

Não deve ser feito anualmente (neste ponto há divergências de opinião entre os especialistas). Mas deve-se levar em conta que quanto menor a frequência, maior a intensidade, maior a espessura dos galhos a serem cortados e maior o custo da operação. Da mesma forma, quanto mais grossos os ramos, maior a possibilidade de entrada de doenças.

No limão recomenda-se uma poda a cada 2 – 3 anos. Nesse caso, nenhuma tentativa será feita para modelar a planta, pois isso é quase impossível devido ao tipo de ramificação.

A poda entre baixa e alta produção regula a produção e favorece sua regularidade.

Para perceber a qualidade da poda devemos observar os seguintes aspectos:

  1. a) Se a poda for muito mole, a próxima brotação será curta.
  2. b) Se a poda for muito intensa, provocará um forte brotamento, a formação de grande número de rebentos e má frutificação.
  3. c) Uma poda bem executada estimulará o crescimento de brotações médias e com ela uma produção equilibrada. As plantas pequenas são mais eficientes na produção e isso se consegue, por um lado, com o tipo de planta (variedade e porta-enxerto utilizado) e, por outro, com a regulação da poda.

Considerações de orientação para árvores de sombra

Eles são podados regularmente desde o período juvenil para desenvolver uma estrutura forte com galhos altos e resistentes.

Dos ramos que se cruzam, cortam-se os menos importantes, restando aquele que favorece o crescimento e a forma imposta à copa. Los Fresnos, Alamos, Arces, Paraísos e Olmos, admitem podas anuais por condução no final do inverno, evitando fazer cortes repetidos no mesmo local para que não se formem “tocos” que dificultam a circulação da seiva.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.