Dicas

Tordo

Tordo

Com as suas flores pequenas e delicadas, de cor ligeira e delicada, o lírio do vale é uma planta fascinante que não requer muitos cuidados: uma mistura perfeita para poder decorar os espaços verdes dos amantes da natureza e até dos que o fazem. não tem um polegar forte. verde. O lírio do vale é uma planta bolbosa que não ocupa muito espaço, pelo que também pode ser cultivada em interior, em vasos ou em pequenos jardins, para criar uma decoração verde elegante mas não muito vistosa. Caracterizadas por um perfume doce, as flores de lírio do vale são em forma de sino e de tamanho pequeno e crescem entre longas folhas verdes brilhantes. Algumas variantes podem apresentar flores levemente rosadas, mas sempre coletadas em inflorescências de seis / doze flores cada, como nos lírios do vale.mais tradicional. A beleza do lírio do vale, porém, dura pouco: essa planta floresce apenas na primavera e já murcha no final de março. Além disso, a abordagem do tordo deve ser feita com cuidado: as partes aéreas da planta são venenosas e o contato direto pode levar a várias contra-indicações.

Cultivo


Apesar do seu tamanho reduzido e aspecto delicado, o lírio do vale é uma planta que apresenta grande resistência: pode ser plantada tanto em vasos como no solo do jardim, mesmo em locais pouco abrigados, uma vez que não sofre de baixas temperaturas e , pelo contrário, pode ser plantada já no final do inverno. O carácter rústico e a resistência do lírio-do-vale revelam-se também na sua capacidade de adaptação aos mais diferentes tipos de solo: esta planta particular não necessita de solo particular, embora, claro, poderá oferecer uma melhor floração em um solo mais rico em matéria orgânica e nutrientes. O importante para o solo é que tenha uma boa drenagem, para evitar a estagnação da água. O lírio do vale não precisa de rega frequente, especialmente no inverno, quando as baixas temperaturas e o repouso vegetativo permitem não ter necessidades nutricionais particularmente notáveis. Se o solo em que o lírio do vale é colocado for pobre, pode-se remediar adicionando um pouco de fertilizante líquido à água de rega, especialmente com o reinício do ciclo vegetativo, quando a planta apresenta as necessidades máximas de um nutriente ponto de vista., para crescer e se preparar para a floração. O lírio do vale não necessita de poda: bastará retirar as folhas que começam a secar para manter a planta bonita e sã. principalmente com o reinício do ciclo vegetativo, quando a planta apresenta as maiores exigências nutricionais, para crescer e se preparar para a floração. O lírio do vale não necessita de poda: bastará retirar as folhas que começam a secar para manter a planta bonita e sã. principalmente com o reinício do ciclo vegetativo, quando a planta apresenta as maiores exigências nutricionais, para crescer e se preparar para a floração. O lírio do vale não necessita de poda: bastará retirar as folhas que começam a secar para manter a planta bonita e sã.

Reprodução e plantio


O plantio do lírio do vale é uma operação muito simples, graças à natureza bulbosa de suas raízes. O lírio do vale é plantado no final do outono, para germinar e dar uma bela floração já no mês de abril seguinte. A floração do lírio do vale não dura muito, por isso poder colocar a planta no solo na altura certa é importante para não perder um ano de cheiros deliciosos. O plantio pode ser feito em vasos ou diretamente no solo: para obter uma nova planta a partir de um bulbo já existente, será suficiente cortar, com corte limpo e ferramentas estéreis, o bulbo original para que nas duas partes obtidas sejam presente. das partes radicais: neste ponto, bastará enterrar o bulbo e manter o solo umedecido para ver crescer em pouco tempo uma nova planta oriunda da original. Os bolbos de lírio-do-vale podem então ser deixados na terra, no final do período vegetativo, até ao ano seguinte ou extraídos da terra para serem guardados em local fresco, seco e escuro. Os bulbos assim conservados estarão prontos no ano seguinte para serem novamente plantados e voltarem à vida.

Sapinho: doenças e parasitas


O lírio do vale é uma planta muito resistente e capaz de se adaptar às mais diversas condições ambientais, mas não está totalmente isenta de perigos externos: é uma planta sujeita ao desenvolvimento de bolores, contra os quais é possível intervir num. preventiva ou com produtos específicos caso seja constatada a presença desses elementos. Bolores e fungos, na verdade, se proliferarem, podem levar a planta do lírio-do-vale à morte. Para proteger a planta é importante evitar a criação de ambientes muito favoráveis ​​a essas pragas, portanto, é melhor evitar áreas muito úmidas e sombreadas. Além disso, a estagnação da água, que causa a proliferação de bolores, deve ser evitada: o correto cuidado com a planta e a estabilização das condições de cultivo são os primeiros elementos do combate preventivo ao desenvolvimento de patologias, não sendo necessárias intervenções preventivas de particular agressividade. Em caso de presença de fungos ou parasitas, ainda que a propagação destes seja menos frequente no que diz respeito ao sapinho, é bom garantir, através da utilização de produtos especiais, a eliminação de qualquer organismo infestante. Caso contrário, a colonização logo teria uma segunda propagação e a planta voltaria a sofrer, fragilizada pela subtração dos alimentos. este último é menos frequente em relação ao sapinho, é bom certificar-se com a utilização de produtos especiais de que qualquer organismo praga seja eliminado. Caso contrário, a colonização logo teria uma segunda propagação e a planta voltaria a sofrer, fragilizada pela subtração dos alimentos. este último é menos frequente em relação ao sapinho, é bom certificar-se com a utilização de produtos especiais de que qualquer organismo praga seja eliminado. Caso contrário, a colonização logo teria uma segunda propagação e a planta voltaria a sofrer, fragilizada pela subtração dos alimentos.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar