Dicas

Tamargueira-comum

Generalidade

A tamargueira comum (Tamarix gallica) é uma árvore ou arbusto arbustivo, dependendo do caso, pertencente à família das Tamaricaceae. Geralmente atinge 2 a 5 m de altura, embora às vezes em condições favoráveis ​​possa atingir 10 m. Normalmente não tem um único caule, mas caules mais sinuosos e retorcidos, finos, lisos e recobertos por uma casca marrom-avermelhada salpicada de lenticelas que vão se tornando cinza com o tempo e racham. Dos caules não muito altos ramificam-se os ramos longos, flexíveis, eretos e delgados, que tendem a expandir-se e alargar-se e finalmente a dobrar-se para baixo, por vezes com uma tendência decididamente pendular, dando vida a uma coroa sempre bastante larga e irregular , com uma cor cinza-azulada característica, no geral muito delicada mesmo quando muito consistente. As folhas escamosas e ligeiramente carnudas têm 1-2 mm de comprimento e são semi-persistentes ou caducas dependendo do clima. Formam feixes que se inserem alternadamente nos galhos esverdeados da planta e são polvilhados com glândulas excretoras chamadas idátodos, responsáveis ​​pela eliminação dos sais minerais e do excesso de água que são expelidos dando vida, nas plantas que vegetam nas áreas mais salobras, em geral diretamente na orla marítima, a um fenómeno de “suor”, com a produção de um líquido límpido e muito salgado que cai como garoa sob a sua folhagem. Justamente o alto teor de sal da planta fez com que, no passado, o Tamarisk fosse usado como forragem, já que os animais apreciavam seu sabor. As folhas têm cor acinzentada e ápice e base agudos. A floração ocorre entre abril e junho, ou de maio a julho sempre dependendo das condições climáticas. As flores hermafroditas são minúsculas, muito numerosas, rosadas ou esbranquiçadas tingidas de vermelho, reunidas para formar racemos muito compactos ao redor dos râmulos. Cada flor possui um cálice composto por 5 lacínias ovais e uma corola com cinco pétalas. Os cinco estames possuem anteras vermelhas e são opostos às cinco sépalas do cálice. O ovário é constituído por três carpelos que assumem a forma de taco ao nível do estigma. Os frutos são pequenas cápsulas em forma de pirâmide com base triangular e contêm sementes amarelas com uma pluma penugenta para disseminação da anemocora. Cada flor possui um cálice composto por 5 lacínias ovais e uma corola com cinco pétalas. Os cinco estames possuem anteras vermelhas e são opostos às cinco sépalas do cálice. O ovário é constituído por três carpelos que assumem a forma de taco ao nível do estigma. Os frutos são pequenas cápsulas em forma de pirâmide com base triangular e contêm sementes amarelas com uma pluma penugenta para disseminação da anemocora. Cada flor possui um cálice composto por 5 lacínias ovais e uma corola com cinco pétalas. Os cinco estames possuem anteras vermelhas e são opostos às cinco sépalas do cálice. O ovário é constituído por três carpelos que assumem a forma de taco ao nível do estigma. Os frutos são pequenas cápsulas em forma de pirâmide com base triangular e contêm sementes amarelas com uma pluma penugenta para disseminação da anemocora.

Clima e terreno


O Tamerice comum está espalhado por quase todo o território italiano, incluindo as ilhas, com exceção de Trentino Alto Adige, Piemonte e Vale de Aosta, Umbria e Abruzzo. A sua amplitude de distribuição vai de 0 a 800 metros acima do nível do mar, especialmente nas zonas costeiras, costas arenosas e sub-salsas, mas também ao longo de ribeiros de seixos ou cascalho e até em solos lamacentos. É uma planta rústica e pioneira, vive em solos pobres, salinos, arenosos, mas também argilosos desde que assegurada a drenagem. A única condição edificante que pode colocá-lo em dificuldade é a presença excessiva de calcário ativo no solo (ou seja, calcário solúvel). Prefere a exposição solar total. Resiste muito bem a secas prolongadas, ventos e ventos salgados, salinidade.

Técnicas de planta e cultivo

A tamargueira-comum é usada como quebra-vento, para consolidação de dunas arenosas, como espécie ornamental em parques e jardins, para árvores de estrada e reflorestamento em áreas com alta salinidade. Dependendo das condições em que vive, sua beleza pode ser mais ou menos evidente. É óbvio que em condições extremas não dará o seu melhor, ao passo que se cultivado em posições menos expostas, em solos que não sejam excessivamente arenosos ou gravilhados, poderá vegetar no seu melhor com poucos cuidados. A sua floração abundante e folhagem sempre graciosa podem dar o seu melhor em contextos pequenos a médios, como jardins em zonas costeiras ou sebes livres nas margens de avenidas ou pântanos, nas margens de lagoas ou no fundo das fronteiras inglesas, e em jardins naturais e não muito formal ou moderno. A propagação pode ocorrer tanto vegetativamente por meio de estacas, que por semente na primavera ou no outono, levando-se em consideração, entretanto, que a faculdade germinativa se perde muito rapidamente. A germinação é muito rápida, mas seguida de desenvolvimento lento. Se necessário, a poda deve ser feita imediatamente após a floração.

Parasitas e doenças

Entre os parasitas lembramos as larvas de rodilegno (Zeuzera pyrina e Cossus cossus) que cavam seus túneis nos caules, e o homóptero Metcalfa pruinosa que se alimenta da seiva da planta, digerindo apenas a parte protéica e expelindo a parte açucarada na forma de melada pegajosa que cai na planta com a consequente possibilidade de desenvolver fumaggine de origem fúngica e atrair abelhas, além de ser utilizada pelos beduínos, que ainda a recolhem depois de endurecida e caída ao solo e a utilizam em substituição açúcar. Outras doenças fúngicas às quais a tamargueira comum está sujeita são a decomposição da madeira causada por basidiomicetos como Polyporus ou Fomes e a doença branca ou oídio causado pelo ascomiceto Sphaerotheca macularis.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *