Dicas

Peyote (Lophophora williamsii): um cacto com propriedades psicoativas

Uma planta herbácea da família dos cactos ( Cataceae ) é conhecida como peiote . No entanto, não se destaca justamente por ser uma espécie atrativa do ponto de vista ornamental, mas por suas propriedades psicoativas baseadas em seus princípios ativos.

Por muitos anos, é usado pelos mexicanos, já que o peiote é endêmico lá, em psicoterapia, meditação e como droga psicodélica, a ponto de seu uso ser proibido ou limitado em muitos países, como nos Estados Unidos ou no Canadá.

Por mera curiosidade botânica, queremos mostrar-lhe as principais características do peiote ( Lophophora williamsii ) bem como os seus cuidados, uma vez que devido ao seu tamanho pode ser cultivado em vasos.

Características do cacto peiote ou hikuri ( Lophophora williamsii )

O peiote é considerado um cacto pequeno, adequado para cultivo em vasos e recipientes, pois é de crescimento lento e seu tamanho geralmente não ultrapassa 10 cm. A sua forma curiosa, quase esférica, semelhante a uma bola de golfe, faz com que alguns curiosos a utilizem como planta de interior.

taxonomia

  • Ordem:  Caryophyllales
  • Família: Cactaceae
  • Gênero: Lophophora
  • Espécie: Lophophora williamsii

Nomes comuns: peiote, hikuri

O cacto peiote emite uma pequena flor localizada na coroa da esfera, embora seja de crescimento tão lento, pode levar anos para a planta emitir suas primeiras flores (8 em média até 10 anos).

Uso como substância psicoativa

Tal como acontece com muitas plantas, incluindo os cactos, contém substâncias alcalóides como sistema de defesa contra o ataque de herbívoros. Alguns deles são usados ​​na medicina moderna para preparações de drogas e anestésicas.

No caso do peiote, possui 6% de alcalóides, derivados do aminoácido fenilalanina, sendo o mais conhecido a mescalina ((3,4,5-trimetoxi-B-fenetilamina). Esta substância é considerada alucinógena e tem sido utilizada por muitas comunidades científicas desde que lhe foram atribuídos poderes mágicos.

Mescalina

Essa substância alcaloide, conhecida por seu potencial psicoativo, é consumida pela humanidade há mais de 5.700 anos. Na verdade, é considerado um dos alcaólidos mais antigos conhecidos pelo homem.

No entanto, a mescalina não está apenas contida no cacto peiote ( Lophophora williamsii ), mas também está presente em espécies do gênero Trichocereus.

  • Trichocereus pachanoi
  • Trichocereus terscheckii
  • Trichocereus macrogonus
  • Trichocereus werdermannianus

Para cada 30 gramas de planta, podem ser obtidos entre 250 e 300 mg de mescalina. As autoridades de saúde avaliaram o efeito do consumo desta substância.

150mg Dose mínima
150 – 300mg Atividade psicotrópica leve
300 – 400mg Atividade psicotrópica moderada, com duração de 6 a 12 horas
450 – 500mg Forte atividade psicotrópica, com duração de 12 horas em diante
500 – 600mg Atividade psicotrópica muito forte, com duração superior a 24 horas

Principais cuidados com o peiote

As espécies do gênero Lophophora  são geralmente plantas de crescimento lento, quase imperceptíveis ao longo dos anos. No entanto, tem a vantagem de o seu cultivo ser bastante rústico e se adaptar a todo o tipo de condições e intempéries.

Um dos maiores inimigos desse gênero de plantas e, em geral, dos cactos, é o excesso de água. Em geral, causa mais de 90% das mortes neste tipo de plantas, pois regamos demais pensando que o substrato, estando seco, é contraproducente para o desenvolvimento da planta.

O que muita gente não sabe é que os cactos são plantas CAM (metabolismo ácido das crasuláceas), com a vantagem de que durante as horas mais quentes do dia mantêm os estômatos fechados, a parte mais sensível à perda de água pela transpiração, para não precisam de tanta água e a administram extraordinariamente bem.

Além disso, tem a capacidade de captar água através do orvalho e das mudanças de umidade entre a noite e o dia, algo muito comum em áreas muito quentes e desérticas, como o México, região onde o cacto peiote é nativo.

Climatologia

temperaturas

Em geral, o peiote se adapta a todos os tipos de exposições climáticas, incluindo altas temperaturas e até invernos muito frios com temperaturas abaixo de zero. Suporta até -5 ºC, por curtos períodos de tempo, embora o seu crescimento seja consideravelmente reduzido abaixo dos 10 ºC.

Suporta bem qualquer exposição solar, sendo o Sol mais recomendado nos meses menos quentes e a semi-sombra nos meses quentes. Só conseguiremos isso se cultivarmos nosso peiote em vasos.

Terra

Devido ao seu baixo desenvolvimento radicular, característico de quase todos os cactos, o solo deve sempre apresentar condições de textura solta, arenosa e boa infiltração de água. Portanto, é típico como substratos de cactos possuem materiais inertes como perlita, vermiculita ou cascalho que melhoram a porosidade e a oxigenação do meio.

De fato, devido à sua baixa produção de raízes, o maior risco que temos é o solo com encharcamento, fazendo com que toda a planta apodreça rapidamente.

Apesar de tolerar todos os tipos de solo, o substrato ideal para cultivo em vasos é levemente ácido, onde a maioria dos nutrientes, e principalmente o ferro, permanecem solúveis para serem assimilados pela planta.

Substrato ideal para cactos e suculentas

A condição ideal para um bom substrato neste tipo de plantas é garantir, acima de tudo, uma boa drenagem. Não precisamos que, após a aplicação da irrigação, toda a água se perca em poucos segundos, mas é necessário que ela seja encharcada com facilidade e elimine o restante da água.

Vamos conseguir isso com misturas de solos e compostos com muita porosidade e espaços para armazenar oxigênio. Os principais componentes são os seguintes:

  • Turfa
  • Material inerte: rocha vulcânica, perlita ou vermiculita
  • Areia

Irrigação

A irrigação dos cactos e, principalmente, do peiote, deve ser muito reduzida. A frequência de irrigação no inverno deve ser praticamente zero, pois são capazes de aproveitar as mudanças de umidade para absorver, através das folhas, a água na forma de vapor.

Resiste muito bem à seca, e só nos períodos mais quentes vamos irrigar, com pouca água. Exagerar na água e manter o solo úmido favorece a podridão das raízes. O peiote, como mencionamos antes, é especialmente sensível a solos encharcados e apodrece facilmente.

Assinante

Em geral, o peiote não costuma ser fertilizado, mas se percebermos que perdeu sua cor verde original ou falta um pouco de desenvolvimento, podemos adicionar um fertilizante especial para Crassulaceae e aplicá-lo no início da primavera, repetindo a aplicação a cada 15 anos. 20 dias.

Aproveitaremos a irrigação na estação mais quente para incorporar o fertilizante líquido, pois neste caso é mais recomendado, devido ao desenvolvimento das raízes e do substrato, em relação ao granulado. Seguiremos as recomendações de dosagem do fabricante, pois o excesso de sais aumenta excessivamente a condutividade da água e pode queimar as raízes recém-formadas.

transplante de peiote

Seja porque compramos um vaso pequeno ou porque após o crescimento precisamos aumentar seu volume, o transplante de peiote geralmente é realizado a cada 2 ou 3 anos. Isso também é interessante para renovar o substrato, principalmente quando incorporamos materiais inertes como perlita, vermiculita ou rocha vulcânica, pois com o passar dos anos perde suas propriedades.

O transplante de peiote será realizado no final do inverno ou início da primavera, quando o cacto não entrou na fase de crescimento mais rápido. Ao contrário do que é feito com outros tipos de plantas no transplante, recomenda-se umedecer o substrato após o transplante. Esta operação será realizada vários dias depois.

Multiplicação

Fonte: http://plantasparahombres.blogspot.com/

Existem várias maneiras de obter novas plantas de peiote. Devido ao crescimento lento deste cacto, é sempre recomendado, além de sua facilidade, obter novas plantas a partir da separação das ventosas.

por sementes

Após a floração, obtêm-se pequenas sementes de aspecto circular e de cor preta. Vamos plantá-los na primavera, mantendo a umidade do nosso substrato poroso até que germinem.

Para fazer isso, teremos que manter uma temperatura constante entre 20 e 25 ºC, por isso é ideal fazê-lo dentro de nossa casa.

Por separação dos descendentes

Uma maneira muito mais confortável e pela qual avançamos vários anos no desenvolvimento do nosso cacto é separando as ventosas. Na planta mãe surgem pequenas plantas novas, de aspecto globoso, que podemos separar com muito cuidado da mãe, cortando do rizoma subterrâneo.

Esses pequenos botões são facilmente separados da planta-mãe e podem ser plantados em novos vasos para criar suas próprias raízes.

Pragas e doenças

Devido à aparência rústica da planta, seu pequeno tamanho e a epiderme dura que ela forma, é raro encontrar insetos sugadores, embora os mais comuns para os cactos sejam os diferentes tipos de cochonilhas.

Quanto às doenças, mesmo sendo plantas rústicas, elas podem ser afetadas por fungos de podridão radicular e caulinar somente se as condições de umidade no substrato forem altas, algo que mencionamos é extremamente perigoso no cultivo desse tipo de planta.

Produtos recomendados

Plantas relacionadas aos cactos

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.