Dicas

Pêssego

A importância da irrigação adequada

O momento e a quantidade de água a ser adicionada ao pessegueiro devem levar em consideração vários fatores. No que diz respeito à fase fenológica, que é a fase precisa da produção, é de facto importante saber que esta espécie necessita particularmente de água durante a floração, até ao amadurecimento dos frutos. Adições excessivas nesta última fase, entretanto, devem ser evitadas para evitar uma diluição excessiva de açúcares que pode comprometer a vida útil subsequente das drupas. No geral, a quantidade de água por hectare a ser utilizada é em torno de 2.500-4.000 metros cúbicos, dependendo também da qualidade do solo e da tendência sazonal. É aconselhável evitar alagamentos radicais, pois o pessegueiro é sensível à asfixia das raízes, preferindo sistemas de gotejamento.

Qualidade do solo e poda


Para garantir um rápido desenvolvimento e uma entrada igualmente rápida na produção do pessegueiro, é necessário cultivar esta planta em solos particularmente soltos, ricos em substâncias orgânicas. Antes do plantio, é aconselhável trabalhar bem o solo, mesmo em profundidade, para garantir um escoamento adequado da água e assim evitar a estagnação da água. A parte aérea do pessegueiro deve ser mantida suficientemente aberta para favorecer uma boa ventilação, uma vez que o acúmulo de umidade pode desencadear o desenvolvimento de fungos patogênicos perigosos. Durante a poda de inverno, é aconselhável retirar as partes lenhosas secas ou danificadas com ferramentas estéreis, bem como quaisquer porções dos ramos caracterizadas pela produção excessiva de gomas ou resinas.

A importância da fertilização


Uma fertilização correta do pessegueiro deve antes de tudo garantir a compensação dos nutrientes subtraídos da planta durante a fase de colheita dos frutos e durante a poda. É essencial o uso de fertilizantes ricos nos três principais nutrientes das plantas: nitrogênio, fósforo e potássio. Do ponto de vista operacional, é aconselhável fazer um estrume abundante de fundo antes da implantação. O nitrogênio deve ser administrado na fase de floração até que o núcleo endureça. Por outro lado, fósforo e potássio podem ser dosados ​​durante a estação fria. Quanto às quantidades, é bom levar em consideração o consumo relativo anual desses elementos pelo pessegueiro, que é 150g de nitrogênio, 40g de fósforo e 120g de potássio.

Pêssego: a bolha e a bacteriose


Do ponto de vista fitossanitário, o pessegueiro costuma ser afetado pelo fungo Taphrina deformans, também conhecido como «bolha do pêssego». Os ataques provocam a deformação das folhas e sua queda precoce, com conseqüente redução da superfície fotossintetizante. Nestes casos é necessário administrar produtos fungicidas pelo menos 3 vezes ao ano, para evitar a propagação da doença ou, se o número de plantas for baixo, remover manualmente todas as folhas afetadas antes da formação de cabelos brancos (órgãos reprodutivos de o fungo) na página inferior. Para evitar a propagação de doenças bacterianas, é importante podar o pessegueiro com ferramentas esterilizadas ou desinfetar todas as lesões acidentais e cortantes presentes na planta.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.