Dicas

Pérgulas de ferro

Criatividade no jardim

A horta é para muitas pessoas um dos lugares mais importantes da vida; sua reputação fundamental remonta ao fato de que muitas vezes é experimentado como um refúgio, não do corpo (como estrondos, terremotos ou outros eventos catastróficos), mas da mente: muitas vezes voltamos para casa após dias muito difíceis, passados ​​estressados ​​para trás problemas laborais impostos pelos patrões, que classicamente é agravado pelo trânsito e congestionamento das estradas no regresso a casa (ou, no caso do transporte público, pelos atrasos e ineficiências que nestes casos parecem sempre escolher o pior momento). Pois bem, tendo acumulado tal nível de tensão, o jardim da casa, com a sua serenidade ditada pela presença da natureza e não estando lotado, pode tomar o lugar de uma enorme camomila, relaxar instantaneamente: apenas uma cadeira ou em qualquer caso um lugar para se apoiar, admirar nossa planta em crescimento, ajustar o ângulo de um ponto de luz, endireitar um cubo … et voilà, a mente é distraída por se envolver em uma atividade diferente e o corpo sente o benefício, recuperando energia e força para a vida real após o trabalho. Todos mobiliam este espaço tão importante da sua casa como bem entendem, mas normalmente a criatividade e o desejo de transformá-lo dia após dia no lugar dos nossos sonhos prevalecem. recuperando energia e força para a vida real após o trabalho. Todos mobiliam este espaço tão importante da sua casa como bem entendem, mas normalmente a criatividade e o desejo de transformá-lo dia após dia no lugar dos nossos sonhos prevalecem. recuperando energia e força para a vida real após o trabalho. Todos mobiliam este espaço tão importante da sua casa como bem entendem, mas normalmente a criatividade e o desejo de transformá-lo dia após dia no lugar dos nossos sonhos prevalecem.

Pergolas para criar espaços


A palavra «mobiliar» combinada com a palavra «jardim» é muitas vezes e simplesmente catalogada como uma escolha de plantas, tijolos a serem colocados no chão, a cor das paredes e a escolha entre balanço e rede; na realidade, estas não são senão algumas das atividades incluídas na mobília de um jardim: são as coisas fundamentais e mais conhecidas, mas quem possui um jardim pode dizer-lhe que há muito mais. Para começar com um tema novo e muito popular entre os insiders, vamos pensar sobre o problema de criar ou administrar novos espaços em nosso jardim com pérgulas. O conceito de “gestão do espaço” será tão caro especialmente aos nossos amigos arquitetos, que muitas vezes procuram dar atenção apenas à beleza como particularidade e pouco à praticidade e utilidade de uma solução. Por esta razão, as pérgulas e pérgulas são muito difundidas (que nada mais são do que uma sucessão de várias pérgulas). Estes elementos de mobiliário têm a dupla função de constituírem sólidos pontos de apoio no terreno de forma a dividir alguns espaços, ao mesmo tempo que uma estética nada desprezível e totalmente personalizável que pode muito bem reavivar todo o aspecto do jardim.

Pérgulas de ferro

As pérgulas surgem de uma espécie de transformação mista de cercas e pilares para dosséis: são, na verdade, “salas” criadas em espaços abertos, mas que permanecem abertos justamente porque as pérgulas geralmente não oferecem cobertura nem cobertura lateral. Bem, eles nasceram, portanto, para esta função, que no entanto exigia sua presença central dentro de um jardim; daí surgiu a intuição de cuidar especialmente de sua estética, para garantir que eles conciliassem funcionalidade com uma pitada de estética positiva de mobiliário. E é daí que vem o nosso discurso hoje; devemos confessar (mesmo que não seja pecado) que o principal material das pérgulas era e ainda é madeira, pois garante a resistência estrutural certa e ao mesmo tempo consegue harmonizar-se muito bem com o ambiente do jardim, uma vez que continua a ser um material de origem natural. Mas ultimamente é o ferro que está se tornando muito importante como matéria-prima para pérgulas: ele tem duas vantagens importantes, que são resistência e economia, e um defeito que pode, entretanto, ser bem corrigido.

Estética e acabamento

Continuando a discussão do parágrafo anterior, explicamos o principal defeito do ferro em todas as suas criações: uma estética não excepcional, combinada com uma certa tendência à oxidação (a muito famosa ferrugem). Pois bem, estes dois problemas de natureza totalmente oposta (um estético e outro puramente técnico) podem ser resolvidos incrivelmente com a mesma solução: tratamentos de superfície. O progresso que a indústria de engenharia fez nos últimos anos pode ser rastreado até muitos setores, incluindo o da melhoria «transformação» também para fins estéticos de muitos materiais como o ferro. Na verdade, hoje se sabe como com tratamentos adequados tanto na fase de construção quanto posteriormente poder evitar a formação de ferrugem por anos e anos, além de conferir à superfície do ferro um aspecto agradável e também um toque menos frio. São aqueles prodígios técnicos que ainda permitem que o ferro esteja muito presente até nas pérgulas, onde com arranjos e combinações adequadas consegue muito bem conviver com as plantas, flores e outros elementos naturais dos jardins, integrando-se ao grande. Além disso, pode também funcionar como um elemento particular de ajuda e suporte para certas plantas que necessitam de um “suporte” para o seu crescimento, sem sofrer quaisquer consequências.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.