Dicas

Paulonia

Generalidade

A Paulonia ou Paulownia se você preferir (Paulownia tomentosa) é uma árvore pertencente à família Scrofulariaceae. Na China, de onde vem, atinge até 20 m de altura, com postura característica dada pela copa larga e expandida horizontalmente, e pelo tronco muitas vezes inclinado. A casca é castanho-acinzentada, clara, com estrias longitudinais que a tornam áspera. As folhas caducas muito características são ápices grandes e pontiagudos, cobertos de penugem (daí o nome da espécie) e com uma lâmina foliar de um verde intenso que muitas vezes ultrapassa os 30 cm de comprimento, ovais ou divididos em três lobos não muito pronunciados, desde que pecíolo até 10 cm de comprimento. Eles podem ser usados ​​para fertilizar o solo e também como uma forragem rica em proteínas para o gado. As belas flores tubulares e hermafroditas que aparecem entre abril e junho, antes das folhas, são muito perfumadas e amadas pelas abelhas. São violetas, brancas ou com tonalidade azulada, com cerca de 6 cm de comprimento e franzidas para formar panículas eretas com cerca de 25 cm de comprimento. Os frutos são cápsulas pontiagudas e lenhosas, de 30-40 mm, recobertas por uma penugem dourada que quando madura (setembro-outubro) se torna marrom e posteriormente, às vezes apenas na primavera seguinte ou no inverno, se abrem deixando sair as numerosas (até a 2.000 por cada cápsula) pequenas sementes escuras que se dispersam pelo vento. As cápsulas agora vazias geralmente grudam na planta durante a estação de crescimento seguinte. A produção de sementes é impressionante e começa quando a planta tem cerca de 8 a 10 anos de idade. O sistema radicular é geralmente superficial, mas pode atingir grande profundidade em caso de secura prolongada com o tempo. Seu pólen não é alergênico.

Clima e terreno


A Paulônia foi introduzida na Europa por volta do século XVIII, como planta ornamental e em nossa península ainda é utilizada para esse fim. Está presente entre 0 e 600 m de altitude. É uma espécie heliofílica que, no entanto, também se adapta à sombra parcial, a qual deve ser preferida para possível cultivo em recipientes, a fim de evitar a flacidez das folhas nas horas de maior calor do verão. Prefere um solo solto, bem drenado e não compactado, e acima de tudo muito rico em matéria orgânica dada a velocidade de crescimento principalmente nos primeiros três anos de vida, mas na realidade é bastante adaptável neste sentido, colonizando até mesmo nua e difícil. solos sem problemas. Por não ser uma planta particularmente rústica, tem dificuldade em resistir a geadas prolongadas e tardias.


A propagação da Paulônia ocorre por sementes em condições de luminosidade suficiente e levando-se em consideração que as mudas não toleram sombreamento, ou corte de raízes geralmente retirado de mudas com cerca de um ano de idade, ou por estratificação principalmente no caso de cultivo para fins de bonsai. Não requer atenção particular do ponto de vista da fertilização se no outono as folhas são deixadas pelo menos algumas semanas no solo ao redor do caule, pois ao se decomporem espontaneamente o enriquecem com nutrientes. Alternativamente, a fertilização anual pode ser realizada no final do inverno, início da primavera. A Paulônia se presta a múltiplos usos como essência ornamental isolada ou em grupos, como quebra-vento pela densidade de sua folhagem, como barreira contra a poluição dada pela poeira, que a planta consegue parar graças à penugem que cobre suas folhas. A beleza de sua floração é indiscutível, e dá o melhor se inserido em um contexto exótico, combinado com arbustos como azaléias ou rododendros, e trepadeiras, como esquizofragma hydrangeoides por exemplo, que florescem no mesmo período. Linda também cercada por grandes arbustos de hortênsias em variedade ou por grandes grupos de kniphofia combinados com cultivares de Canna indica onde o solo permite. Devido à sua capacidade pioneira, é adequado para reconstruir terras de mineração abandonadas. como o esquizofragma hydrangeoides por exemplo, que floresce no mesmo período. Linda também cercada por grandes arbustos de hortênsias em variedade ou por grandes grupos de kniphofia combinados com cultivares de Canna indica onde o solo permite. Devido à sua capacidade pioneira, é adequado para reconstruir terras de mineração abandonadas. como o esquizofragma hydrangeoides por exemplo, que floresce no mesmo período. Linda também cercada por grandes arbustos de hortênsias em variedade ou por grandes grupos de kniphofia combinados com cultivares de Canna indica onde o solo permite. Devido à sua capacidade pioneira, é adequado para reconstruir terras de mineração abandonadas.

Parasitas e doenças


Dentre os patógenos específicos de Pulonia, lembramos o fungo Phyllosticta paulowniae, não presente na Itália, e Phyllactinia guttata e Uncinula clintonii, agentes fúngicos do oídio (apenas o primeiro está presente em nosso país). Esses dois fungos são muito perigosos para a planta e podem causar danos à madeira da planta, comprometendo seriamente a estabilidade da paulownia e da árvore, além de depreciar muito a madeira.

Uma doença que pode afetar as folhas de paulownia é o oídio. Principalmente em locais úmidos, em períodos de calor, pode-se formar nas folhas uma pátina de oídio que, se não tratada, pode se tornar perigosa e prejudicar a saúde de nossa planta.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.