Dicas

Mandevilla

Necessidade de água

A mandevila (família Apocynaceae, a mesma do rincospermo e do loendro), é uma planta trepadeira de rápido crescimento muito graciosa, caracterizada por esplêndidas flores de verão perfumadas que, dependendo da espécie, podem ser brancas, rosa, carmesim, vermelhas ou amarelas . Estes são contrastados pela bela folhagem lanceolada, que em algumas variedades, como a Mandevilla laxa, é transitória. Outras espécies são M. splendens, com folhas muito grandes, M. sanderi, com flores rosa, M. boliviens, com flores pequenas e brancas, e variedades de Sundaville, com flores de várias cores. A mandevila ainda é conhecida como Dipladenia. No que diz respeito à irrigação, trata-se de plantas que têm a particularidade de necessitar, no verão, de elevada humidade atmosférica mas de rega média. Portanto, é necessário vaporizar a folhagem da mandevila regularmente e regar os espécimes envasados ​​a cada 2-3 dias, enquanto para os que estão no solo é aconselhável intervir apenas quando o solo estiver bem seco. Um pouco mais exigente, entretanto, é M. laxa, que requer irrigação constante durante a estação de crescimento. Todas as espécies temem a estagnação da água, por isso é aconselhável manter os pires secos.

Como cuidar disso


No nosso país a mandevilha é cultivada principalmente em vasos, exceto no Sul onde o clima ameno permite que seja deixada ao ar livre durante todo o ano. É uma planta que requer um recipiente grande e um solo bem drenado, rico em substâncias orgânicas mas não muito compacto. Pode ser obtido, por exemplo, misturando um bom solo universal para plantas com flores, enriquecido com húmus adicional e com uma pequena quantidade de areia ou, em alternativa, argila expandida para colocar no fundo do vaso. Durante as operações de plantio é bom usar luvas de proteção, a mandevilha contém substâncias tóxicas. No início do outono é aconselhável fazer uma poda drástica, que ajudará a que a planta fique mais densa no ano seguinte. Da mesma forma, você pode fornecer uma poda de primavera, favorecerá o desenvolvimento harmonioso da planta evitando que se descasque na parte inferior e dando-lhe um aspecto mais compacto. A multiplicação pode ser feita por semente ou por corte. Para este último, pegue galhos de cerca de 7 a 10 cm, corte as folhas baixas e coloque-as em potes com terra solta, para serem colocados em local abrigado, em ambientes internos e com pouca luz. Mantenha o solo úmido.

Fertilização


A mandevila é uma sarmentosa que para oferecer o melhor de si, ou seja, suas abundantes florações e densa folhagem, requer fertilização constante durante todo o período primavera-verão. O fertilizante mais adequado para esta planta deve ser um produto específico para plantas com flores, que, portanto, fornece uma ingestão maior de potássio do que nitrogênio e fósforo. Além disso, como a maioria das plantas cultivadas em vasos, deve conter os outros micronutrientes necessários ao metabolismo dessas espécies vegetais: ferro, zinco, magnésio, cobre, manganês, boro. Se for utilizado fertilizante líquido, a mandevila deve ser fertilizada aproximadamente a cada 10 dias, diluindo o produto na água de irrigação. O fertilizante granulado, por outro lado, pode ser borrifado no solo uma vez por mês.

Mandevilla: exposição, doenças e remédios


A mandevilla é uma planta que adora o calor e os locais claros, mas não a luz direta das horas centrais do dia, principalmente se o clima for quente. Em vez disso, teme o frio, as fortes correntes de ar e a seca atmosférica. No inverno, portanto, é praticamente obrigatório interná-lo em estufa ou em varanda fechada, a menos que o clima seja muito ameno (sempre acima de 0, melhor ainda acima de 7-8 ° C). As doenças da mandevila não são frequentes, graças às substâncias tóxicas que produz; as exceções são pulgões, ácaros e ácaros. As partes mais afetadas são os botões e os ápices vegetativos, que devem ser examinados periodicamente para erradicar qualquer infestação no botão. Os insetos, além de visíveis, também se manifestam com folhas pegajosas e deformadas (pulgões), teias de aranha visíveis na parte inferior das folhas (aranha vermelha) e, novamente na folhagem, manchas branco-amareladas (ácaros). Os inseticidas à base de piretróides, piretro ou remédios biológicos, inclusive preventivos, à base de extrato de urtiga, chá amargo ou cavalinha podem ser usados ​​para erradicar as colônias.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.