Dicas

La Weigelia

Weigelia florida

Weigelia é uma planta originária das áreas tropicais da Ásia. No entanto, ao longo dos anos tornou-se um convidado frequente de jardins e espaços verdes também na Itália, graças ao encanto da sua folhagem densa e flores coloridas. É uma planta que, se cultivada com eficácia, pode ter um desenvolvimento considerável e por isso o seu crescimento deve ser controlado por poda e poda. Weigelia é uma planta arbustiva pertencente à família Caprifoliaceae: são doze espécies, entre as quais a mais difundida em nossa área é a Weigelia florida, devido à sua capacidade de adaptação ao clima local. Reconhecer uma Weigelia é fácil, graças às suas folhas caducas adornadas com grandes flores tubulares de cores variadas, em tons de rosa. Particularmente fascinante é a Wiegelia florida folii puerperis, caracterizada não apenas por grandes flores roxas, mas também por folhas roxas. A base da planta é composta por diversos caules recolhidos por perfilhamento e o seu desenvolvimento pode atingir os 3 metros de altura: daí a importância da poda correta, com a poda de ramos jovens para conter o desenvolvimento, bem como um local que proporcione a planta com espaço adequado.

Cultivo de Weigelia


Atendendo ao seu tamanho, a Weigelia é uma planta que deve ser cultivada em espaços abertos e proporciona um elemento de grande decoração dentro do jardim, sobretudo se tiver espaço amplo para crescer e se desenvolver. O local deve dar preferência a locais claros, mesmo com exposição direta aos raios solares por muitas horas. Em vez disso, teme a sombra, mesmo que a sua necessidade de luz não se traduza numa preferência pelos solos secos: pelo contrário, é uma planta que teme a seca e nos períodos mais quentes deve ser regada abundantemente. Uma das principais qualidades do Weigelia, no entanto, é a sua resistência mesmo em áreas que não são ideais para ele: por isso é capaz de suportar até os invernos europeus e se desenvolver em qualquer tipo de solo, desde que seja drenante e enriquecido , durante os períodos de despertar da planta, com fertilização adequada. A poda é uma operação igualmente importante, que deve ser feita todos os anos para permitir que os novos ramos se desenvolvam e tenham todo o alimento necessário, sem a presença de ramos já secos e improdutivos. A rega será mais abundante e frequente no verão, quando o risco de seca é maior: isto é especialmente verdadeiro para as plantas mais jovens, que se caracterizam por um desenvolvimento mais rápido.

Doenças e parasitas


A resistência do Weigelia também se manifesta contra as doenças e as principais ameaças, embora não seja totalmente imune aos ataques de fungos e parasitas. Pulgões e fungos podem criar problemas para a planta e se sua presença for detectada, é necessário intervir em tempo hábil, eliminando os ramos afetados se possível. Essa operação acaba sendo decisiva, porém, apenas no caso em que a planta tenha sido recentemente afetada e a proliferação do organismo infestante esteja em um estágio inicial: caso contrário, será necessário providenciar tratamentos específicos a serem realizados no planta com base no tipo de parasita que afetou os ramos. Maior atenção deve ser dada no outono e início da primavera: estes, de fato, são os períodos em que os ataques de parasitas são encontrados com mais frequência. Em particular, um clima fresco e chuvoso será a condição ideal para o desenvolvimento desses organismos, por isso é bom manter a planta sob controle especial nessas épocas do ano, para evitar que os parasitas se espalhem, danificando a planta e tornando-a particularmente difícil eliminação.

Multiplicação


A multiplicação da weigelianão ocorre da mesma forma para todas as cultivares existentes: enquanto as espécies típicas se propagam simplesmente por semeadura, para as híbridas e as variantes a multiplicação deve ocorrer por estacas. Neste caso, optaremos pelo corte dos ramos a uma distância de 6 a 10 cm do jato basal dos ramos laterais, tomando cuidado para evitar o período de floração da planta. A época mais indicada, durante o ano, é entre junho e julho, quando a planta está em plena vitalidade. Porém, as estacas assim obtidas não devem ser imediatamente plantadas no solo: primeiro devem ser colocadas, à espera do desenvolvimento das raízes, numa mistura de areia e turfa em percentagens iguais, até que a parte da raiz esteja suficientemente desenvolvida para garantir o crescimento e a sobrevivência da planta depois de plantada no solo. A semeadura deve, pelo contrário, ocorrer nos períodos entre fevereiro e março e entre outubro e novembro, para que a primeira floração já tenha ocorrido no verão seguinte. O desenvolvimento da planta, de fato, caracteriza-se por ser rápido desde os primeiros períodos de vida da planta, se as condições climáticas e os cuidados periódicos forem adequados e favoráveis.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar