Dicas

Food Chemistry III não Processamento

Hoje terminamos a série de aditivos com estes três grupos de produtos químicos:

Corantes

A maioria dos corantes sintéticos são obtidos por destilação fracionada do petróleo.

O consumo total anual de corantes alimentares nos Estados Unidos é de aproximadamente 56 milhões de quilos, para toda a população.

Na França, mais de 150 milhões de kg de corantes sintéticos são usados ​​atualmente por ano, embora não tenhamos dados do nosso país, esse número nos dá uma ideia.

O E-102 é a Tartrazina, um poderoso alérgeno que pode causar reações alérgicas em pessoas com asma. Seu efeito aumenta em combinação com a aspirina.

A E-123 é o Amaranto, que tem a ver com o grão da planta com o mesmo nome. Na Rússia, é proibido porque produz malformações genéticas. Nos EUA é considerado cancerígeno e fator de esterilidade. É utilizado da mesma forma que o anterior, em sorvetes, limonadas, frutas, conservas …

O alumínio é usado principalmente como coloração de superfície em delicatessens e doces.

Provoca interrupção do crescimento, lesões nos órgãos reprodutivos, perda de apetite, náuseas, úlceras gástricas …

Os corantes são o exemplo perfeito do aditivo inútil. Por exemplo, a truta salmão original teria carne rosa se comer alguns pequenos crustáceos como o camarão, mas nas fazendas de peixes eles são adicionados corante porque os consumidores preferem que sejam «salmões», mesmo que tenham comido ração.

Conservantes    

As formas tradicionais de preservação são a secagem e a salga, que hoje estão quase totalmente descartadas, embora não tenham efeitos adversos à saúde humana.

Os conservantes modernos têm ação desfavorável à saúde, atuam nos sistemas enzimáticos fundamentais nas células, dando origem a doenças das fases celulares.

Eles interferem na síntese de vitaminas e também na descarboxilação de aminoácidos.

O E-230 e o E-232 produziram rim e fígado.

Vitaminas Sintéticas

Existem países como a França onde a adição de vitaminas sintéticas é proibida. Apenas C e E são permitidos.

O abuso da vitamina C sintética tem um efeito desastroso no sistema nervoso e produz problemas gástricos. A diferença entre as vitaminas artificiais e naturais não está na composição química que é idêntica, mas no aspecto energético, por exemplo, a vitamina E natural é destra. A vitamina E sintética é racêmica, ou seja, é inativa à luz polarizada. Todas as formas racêmicas são produtos biologicamente mortos e sua absorção é mínima, pois nosso corpo não os reconhece, pois não são biologicamente ativos.

O peso da publicidade e a falta de cultura alimentar fazem com que o consumidor abdique e exija do fabricante produtos que devem ter boa aparência e sabor constante. Esses fatos vão contra as Leis do Universo e comprometem muito a saúde.

Terminamos este bloco perguntando a nós mesmos:

Quantos quilos de produtos químicos ingerimos por ano na forma de fertilizantes, pesticidas, hormônios, antibióticos e aditivos? Por favor, coma bio.

Por Elena Corrales

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar