Dicas

Enxerto de rosa

Técnicas de jardinagem

Embora a jardinagem seja um dos passatempos mais populares do mundo, nem todo mundo conhece as técnicas para dominar para fazer as melhores tarefas de jardinagem. Tal como acontece com todos os outros hobbies e passatempos, mesmo o do famoso e celebrado “polegar verde” precisa de ferramentas e técnicas adequadas; muitos dizem que a jardinagem é para todos e nós concordamos, coloca-o imediatamente à vontade e não exige esforço, despesa ou qualquer outra coisa para obter os primeiros resultados satisfatórios. O fato é que, no entanto, quando você quiser começar a obter alguma satisfação extra agradável, você precisa estar ciente de ter que aumentar o seu nível de conhecimento primeiro, para depois aplicá-los às plantas do nosso jardim (ou terraço ou varanda para aqueles que não têm sorte possuem um jardim inteiro) e veja os resultados. Assim começamos a chegar ao cerne da jardinagem, daquela paixão que conquistou centenas de milhões de pessoas no mundo, que, cada uma por suas possibilidades, brincam de cultivar seu próprio pedaço de natureza. Especificamente, as técnicas de jardinagem são as de poda, rega, fertilização, enxerto e muitas outras operações para maximizar a saúde de nossas plantas.

O enxerto


A enxertia é uma das técnicas de jardinagem que mais requer conhecimento, destreza e técnica; Provavelmente surge junto com a poda (que porém tem mais margem de erro e é mais comum) como uma importância para a vida de uma planta e para a qualidade de seu produto, seja um fruto ou uma flor. É praticado, como a palavra indica, enxertando a parte de uma planta – geralmente um galho – no caule ou em um grande galho de outra planta, de modo que a parte enxertada possa aproveitar a força da planta grande para crescer, no entanto, sempre igual a si mesmo. Digamos que o enxerto seja usado por dois motivos: o primeiro é fazer uma planta improdutiva produzir, enxertando um ramo de uma planta produtiva, o segundo é replicar facilmente uma planta particularmente boa, porque em teoria cada ramo da planta poderia ser distribuído para muitos espécimes. Podemos esclarecer que no contexto da jardinagem doméstica clássica, o enxerto não tem tantas aplicações, mas se já estamos interessados ​​em ter uma determinada qualidade de citros então o conhecimento dos princípios de aplicação do enxerto poderia fazer mais do que em nosso caso.

O enxerto da rosa

Embora no final do parágrafo anterior tenhamos apresentado uma das aplicações mais difundidas e lucrativas da enxertia (a das frutas cítricas), neste artigo estamos falando de um enxerto que interessa a muitos pela importância da planta: o enxertia da rosa. A rosa é uma planta com flores amada e cultivada em todo o mundo, devido a essa flor de tão extraordinária elegância que é a mais vendida e mais bem dotada de todo o planeta, com um impressionante volume de negócios económico todos os anos. Por outro lado, todos sabem o quanto a rosa é uma planta delicada de cultivar e produzir, e imaginamos a enxertia como pode ser perigosa: é praticada tirando-se um botão bem crescido da planta que se quer reproduzir, removê-lo do ramo de que é feito começa com um pequeno pedaço de cobre ainda preso;

Enxerto rosa: ferramentas e outras informações

A seguinte informação, muito valiosa, é adequada e válida para qualquer tipo de enxertia, seja a de tamanho reduzido para rosa ou com grandes ramos superprodutivos para oliveiras, citrinos ou outras espécies vegetais. Bem, vamos começar pelas ferramentas: para fazer um enxerto perfeito é preciso ter objetos pontiagudos e muito bem higienizados; para entender o tipo de objeto pontiagudo, é preciso observar que tipo de planta você quer enxertar, porque se uma tesoura de jardim pode ser suficiente para uma rosa, uma pequena motosserra pode não ser suficiente para uma oliveira. O fundamental é que o poder de corte seja alto, para que o corte seja limpo e preciso, nem um pouco desviado ou com pontas desfiadas; outra coisa é a higiene: se cortarmos com objetos não desinfetados (possivelmente, chama), poderíamos trazer bactérias e outros patógenos diretamente para o coração da planta (tanto um a ser enxertado quanto o outro) com consequências praticamente irremediáveis ​​porque, uma vez que uma doença atinge o coração da planta, há muito pouco a fazer. Em geral, para falar do período ideal de enxertia, você deve sempre conhecer as espécies de plantas, mas não se engane se praticar no final da primavera, digamos no mês de abril, quando não há mais perigos de geadas.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.