Dicas

Clivia

Uma explosão de cores na casa

Os amantes das cores quentes e das laranjas mais vivas só podem apaixonar-se pela clivia, uma planta de casa de pequenas dimensões mas com uma floração viva, que constitui um elemento decorativo do espaço envolvente impossível de perder. A clivia é uma erva perene pertencente à família Amaryllidaceae de origem africana. Por se tratar de uma planta adequada para climas quentes e tropicais, nas nossas áreas é possível cultivar em locais fechados e abrigados e por isso é perfeita para casas e apartamentos, ou mais geralmente para cultivo em vasos que permite a retirada no inverno. A cliviapode atingir geralmente 40-50 cm de altura e desenvolver fascinantes folhas coriáceas e lustrosas, de cor verde escura, que criam um esplêndido contraste com a vivacidade das flores, brancas, vermelhas, rosadas ou laranjas brilhantes dependendo da espécie. O caule, grande e sólido, contém as flores reunidas em umbelas terminais, que costumam desabrochar entre a primavera e o final do verão, intoxicando o espaço circundante de cor e perfume. Ao lado das flores, até os pequenos frutos têm tonalidades brilhantes: são bagas que costumam demorar quatro meses a amadurecer e contêm de duas a quatro sementes.

Ambiente favorável


Por ser uma planta de origem africana, a clivia resiste ao frio e por isso é particularmente indicada para cultivo em estufas ou em interiores. A temperatura ambiente nunca deve cair abaixo de 10 graus, enquanto no período de floração a temperatura mais adequada é em torno de 20 graus. A exposição deve ser tal que garanta uma boa iluminação, mas nunca dirija o sol por muitas horas do dia, pois isso queimaria as folhas. Cuidado também com as correntes de ar frio, prejudiciais à planta. No período de retomada do ciclo vegetativo, da primavera ao outono, o clivia necessita de muita rega e um solo sempre úmido, mesmo que se deva evitar a estagnação da água, que causaria o apodrecimento das folhas. Em vez disso, rega muito menos abundante é necessária no período de inverno. A clivia deve ser colocada em vasos não muito grandes, para permitir que as raízes ocupem totalmente o espaço disponível. Somente depois que isso acontecer, ele será replantado, em média a cada dois anos. O material mais adequado para o arranjo do vaso de plantas é a terracota, que permite que a terra e, portanto, as raízes transpirem e garantem estabilidade à planta: um vaso pesado evitará que a clivia tombe apesar da abundante produção foliar.

Cuidado e reprodução da Clivia


O método mais simples de reprodução da planta é obtido a partir das folhas que se desenvolvem copiosamente a partir da parte da raiz da planta: no início da primavera, durante o período de repoteamento, os rizomas podem ser divididos certificando-se de que pelo menos cinco ou seis folhas permanecem por planta, em seguida, organizando as duas porções assim obtidas em dois vasos separados. A reprodução por semente também é possível, mas neste caso pode acontecer que a planta obtida não se assemelhe à planta-mãe e tenha características diferentes, devido à variedade genética. Mais simples ainda, porém, é a técnica que envolve o plantio de rebentos que se desenvolvem espontaneamente na base da planta. A menos que uma produção particularmente abundante de folhas esteja em andamento, nenhuma poda especial é necessária, no entanto, é aconselhável remover periodicamente as folhas que agora estão secas. Para cada operação de corte, no entanto, é aconselhável o uso de tesouras e ferramentas esterilizadas por chama adequadas, para evitar cortes de difícil cicatrização que podem ser a causa de doenças e infecções.

Clivia: doenças e parasitas


A Clivia é uma planta muito resistente aos parasitas e ao ataque de outras pragas, mas isso não significa que não precise de muita atenção. A forma mais difundida de parasita infestante de clivia é a cochonilha: em caso de infestação, é aconselhável remover os parasitas com um cotonete embebido em álcool e, em seguida, passar ao uso de produtos específicos que garantam a eliminação total dos parasitas e protejam os planta de novos ataques. Observar as folhas da clivia também é a melhor maneira de evidenciar um estado de saúde não ideal, mesmo que não diretamente ligado ao ataque de algum organismo externo: folhas amareladas que tendem a enrolar podem sinalizar irrigação muito frequente ou esparsa: neste caso é aconselhável analisar também o solo e fazer as devidas adaptações, para que se mantenha húmido, principalmente no verão, evitando a estagnação excessiva da água. As folhas beneficiam de uma nebulização adequada, mas é preciso ter atenção para que não seja excessiva e sobretudo que não implique acúmulo de água na sua base. Se, por outro lado, as folhas ficarem bronzeadas e a folha ficar mais espessa, é possível que estejam recebendo muita luz direta: basta mover a planta para resolver o problema. mas é preciso cuidar para que não seja excessivo e, sobretudo, que não implique o acúmulo de água na base. Se, por outro lado, as folhas ficarem bronzeadas e a folha ficar mais espessa, é possível que estejam recebendo muita luz direta: basta mover a planta para resolver o problema. mas é preciso cuidar para que não seja excessivo e, sobretudo, que não implique o acúmulo de água na base. Se, por outro lado, as folhas ficarem bronzeadas e a folha ficar mais espessa, é possível que estejam recebendo muita luz direta: basta mover a planta para resolver o problema.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.