Dicas

Cedro – Citrus medica

Generalidade

O cedro pertence à família Rutaceae, ao gênero Citrus e à espécie medica.

É uma árvore pequena, de crescimento lento, até 4 m de altura, que pode adquirir o hábito arbustivo, com tronco baixo. Os ramos são irregulares e têm espinhos curtos e espinhosos na axila da folha, os jovens são avermelhados ou violáceos; as raízes são raízes principais e se desenvolvem em profundidade.

As folhas são perenes, com cheiro a limão, até 20 cm de comprimento, oval-oblonga ou oval-lanceolada, com borda levemente serrilhada e pedúnculo geralmente não alado. As flores são hermafroditas ou masculinas para ovário de aborto, brancas com tonalidades diferentes dependendo da cultivar, reunidas de 3 a 12 nas inflorescências terminais; os casulos das flores são vermelho-arroxeados. O cedro é uma espécie remanescente, na verdade a floração é contínua, podendo ser primavera (março-maio), verão (junho) ou final (setembro); os melhores frutos são os que amadurecem em outubro, obtidos a partir da antese de junho. O fruto é uma baga, também chamada de hesperídio, com 20-30 cm de espessura, oblonga ou oval, áspera e cheia de protuberâncias, com epicarpo verde que torna-se amarelo claro quando maduro e um mesocarpo branco e muito espesso; epicarpo e mesocarpo constituem a casca. A polpa consiste de 5 a 12 dentes e contém numerosas sementes monoembrionárias. A casca representa 70% do fruto.

Clima e terreno

O cedro prefere climas temperados quentes e subtropicais, em comparação com outras frutas cítricas é bastante sensível ao frio, podendo perder suas folhas no inverno. As temperaturas ótimas para o desenvolvimento vegetativo e reprodutivo variam de 23 a 25 ° C e não inferiores a 12 ° C, enquanto valores térmicos de 4 ° C podem prejudicar a produção. A planta pode ser exposta a pleno sol, mas é melhor escolher ambientes abrigados em regiões com risco de geadas tardias e ventos fortes, caso contrário, é necessário construir abrigos como paliçadas de madeira, sebes vivas ou paredes circundantes. O cedro prefere solos soltos, de textura média, argiloso, moderadamente calcário, profundo, rico em matéria orgânica, bem drenado e subácido ou neutro, evita solos compactos. É uma espécie nativa do sudeste da Ásia e é cultivada na bacia do Mediterrâneo, no Oriente Médio, Índia, Indonésia, Austrália, Brasil e Estados Unidos; em nosso país o seu cultivo concentra-se especialmente na província de Cosenza, na costa do Tirreno.

Variedade

As cultivares de cedro se distinguem pelas características da polpa, que pode ser doce ou azeda. As variedades de polpa ácida têm flores brancas, com tons roxos na parte externa, enquanto as doces têm flores branco-amareladas. As principais cultivares ácidas são Diamante, Fiorentina, Etrog e Balady, enquanto entre as de polpa doce lembramos a Córsega e o Salò.

Uma variedade muito particular de cedro é a mão de Buda, cujo fruto é desprovido de polpa e segmentado em diferentes seções, cada uma das quais constitui uma unidade em seu próprio direito; o experiidium tem uma forma denteada em várias protuberâncias e não globular. Os chamados limões de cedro têm assumido certa importância, considerados híbridos entre os limões e os cedros, dotados de frutos que lembram o cedro pelo tamanho e espessura da casca e o limão pelo aparecimento da planta.

A cedrina é uma cultivar utilizada na obtenção de um óleo essencial límpido e muito perfumado, enquanto o de outras variedades de cedro torna-se turvo e rico em substâncias resinosas.

Técnicas de cultivo

A propagação do cedro ocorre vegetativamente, utilizando técnicas como estaquia e enxertia, o principal porta-enxerto utilizado é a laranja amarga.

O sistema de treinamento adotado é o globo com copa inteira, com os ramos inseridos no caule a 40-50 cm do solo. Este sistema facilita os cuidados com a cultura, como poda e colheita, protege a planta de alta insolação e ventos fortes, impede o crescimento de ervas daninhas ao redor da árvore graças ao sombreamento e promove uma rápida entrada em produção, pois requer poucas operações. De poda durante a reprodução Estágio. A poda é realizada anualmente, para mitigar a alternância da produção, eliminando os ramos empacotados deixando os bem espaçados, os rebentos, os ramos secos e doentes. A fertilização é realizada durante o outono ou no final do inverno com estrume maduro. O período de verão é caracterizado pela ausência de chuvas, sendo necessário intervir na irrigação. A colheita deve ser feita em dia inteiro, as produções giram em torno de 200 q / ha; as frutas são utilizadas para o preparo de frutas cristalizadas e bebidas.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar