Dicas

Árvores caducifólias

As árvores decíduas e as sempre-vivas

Árvores decíduas são plantas que, ao contrário das perenes, perdem todas as folhas entre o outono e o inverno, entrando em um estado de repouso vegetativo, no qual os processos vitais diminuem consideravelmente, voltam à atividade vegetativa e recuperam a folhagem durante a primavera. Este tipo de folhas também são chamadas de caducas, termo derivado do latim que significa «destinadas a cair». Árvores de folhas largas são plantas de folhas largas e freqüentemente suas folhas são caducas, enquanto as coníferas, ou coníferas, são em sua maioria perenes. Uma exceção famosa a essa regra é o larício, que perde suas agulhas durante o inverno. Na verdade, as plantas perenes também perdem suas folhas ao longo da vida, mas imediatamente as retribuem com novas folhas.

Os fenômenos de abscisão na botânica e o desprendimento das folhas


Em botânica, abscisão significa um fenômeno em que ocorre a separação de uma parte da planta, por exemplo de um fruto, uma flor ou uma folha. A abscisão da folha ocorre graças ao ácido abscísico que cria duas estruturas celulares, uma de proteção e outra de divisão pela qual o pecíolo se desprenderá do galho. Em termos práticos, por meio desse processo de separação a seiva não passará mais da base do pecíolo e uma simples rajada de vento bastará para que a folha caia. ocorre durante a estação fria porque as raízes não conseguem absorver água e nutrientes suficientes do solo. Nesta fase, antes de as folhas caírem, mudam constantemente de tonalidade, de vermelho para amarelo,isso porque a clorofila é gradualmente recuperada no tronco da planta.


Existem diferentes espécies de árvores de folha caduca adequadas para melhorar o ornamento dos nossos jardins, pensamos que a bétula, o carvalho, o bordo ou o pioppo.Ma a escolha pode muito bem recair também nas árvores de fruto, que o esplendor das suas flores e dos seus cabelos acrescenta a bondade de produtos naturais e saudáveis. Ter damascos ou cerejas frescas à nossa mesa nos dará uma gratificação muito maior se eles vierem das árvores do nosso jardim. Entre as plantas frutíferas, podemos lembrar cereja, maçã, castanha, noz, ameixa, damasco, pêssego. É claro que, na hora de escolher, devemos estar atentos ao clima da nossa região: enquanto algumas espécies crescem bem mesmo em áreas frias, outras precisam de muito calor, vamos pensar, por exemplo, na laranja.


Na escolha da planta devemos avaliar cuidadosamente, além da temperatura, outras variáveis, como o tamanho que a planta vai assumir à medida que se desenvolve. Para dar um exemplo prático, consideremos a noz. Esta magnífica árvore desenvolve-se consideravelmente em altura e largura da copa e no futuro poderá ser incómoda devido à demasiada sombra ou simplesmente pelo peso dos seus grandes ramos. Além disso, precisamos pensar bem onde colocar a planta, evitando, por exemplo, que os galhos que vão se desenvolvendo invadam outras propriedades além de nossas fronteiras. Devemos também garantir que o tipo de solo do nosso jardim é ideal para a espécie de planta que escolhemos: seria desagradável se não crescesse sã e tivéssemos que cortá-la depois de alguns anos.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Mira también
Cerrar