Plantas

Malcolmia littorea, uma planta perene com flores roxas

Malcolmia littorea também conhecida como maritime wintergreen . Pertence à família Brasicáceas. É originário da costa europeia da Bacia Mediterrânica Ocidental, da costa atlântica da Península Ibérica e da costa cantábrica a oeste das Astúrias.

Malcomia é o nome do gênero, que recebeu o nome de William Malcolm, jardineiro e viveirista em Kennington, Inglaterra, ou de seu sobrinho William Malcolm, gerente do viveiro em Kennington, Inglaterra.

O nome da espécie Littorea é um epíteto latino que significa “na costa, perto do mar”

Características de Malcolmia littorea

Planta perene com uma base lenhosa e vários caules.

Os caules são prostrados, erectos ou ascendentes, com cerca de 10 a 40 cm de comprimento, brancos como cinzas e cobertos por um denso tomentum de pêlos em forma de estrela.

As folhas são sempre verdes, obovadas, oblongas lineares ou simplesmente lineares, com uma borda sólida ou sinuosa.

As flores são hermafroditas, dispostas em grupos de 5 a 20 flores, com 4 pétalas e uma coloração púrpura-lilás.

Eles têm quatro sépalas livres, cobertas com tomate. Os externos são cuculados, sem margem crocante e os internos são saciformes na base com uma margem esbranquiçada.

A fruta é do tipo linear, ligeiramente tortuosa, de sílica.

As sementes são castanhas escuras, ovóides ou oblongas, com uma superfície reticular rugosa.

Cuidados com Malcolmia littorea

É uma espécie protegida, que está listada no catálogo regional do Principado das Astúrias como uma espécie ameaçada desde 1995, devido à alteração do seu habitat pela acção humana.

Planta encontrada em dunas secundárias ou cinzentas.

Não tolera a sombra, por isso deve ser colocada a pleno sol.

Quanto ao solo, deve ser seco, com uma acidez de 3,5 a 5,5, pobre em azoto, rico em matéria orgânica e bem drenado.

A rega deve ser moderada, evitando a saturação da água.

O fertilizante deve ser um mineral específico a cada quinze dias no início da primavera e do verão.

É uma planta resistente a pragas. Entretanto, se o calor for muito alto, aranhas e afídeos podem atacá-lo.

Reproduz-se por meio de sementes, que são dispersas pelo vento devido ao seu pequeno tamanho.

Como você vai perceber, este belo espécime sofreu uma perda drástica devido à má gestão do homem. Mas nunca é tarde demais para reclamar um pouco do que a natureza tem para oferecer.

Portanto, se você tiver a oportunidade, pegue algumas sementes e compartilhe-as com o seu povo. Mas sempre de forma responsável para que comece a se espalhar adequadamente.

Imagens cortesia de : Katja Schulz, Manuel M.V.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *