Dicas

Tulipas

Tulipas

Eles deram seu nome a filmes, desenhos animados e personagens literários de sucesso. Estão entre as flores mais belas que a natureza já nos deu, talvez as únicas, devido ao formato e às cores das pétalas. Estamos a falar de tulipas, espécies bolbosas utilizadas para decorar jardins, varandas, terraços e obter flores cortadas para presentear. Plenamente inscritas no mundo da linguagem das flores, as tulipas são muito apreciadas pelos jardineiros por suas esplêndidas flores coloridas: exemplares verdadeiramente bonitos para admirar e capazes de valorizar ao máximo o desempenho estético de uma sebe e de um canteiro. Fáceis de cultivar, as tulipas requerem apenas alguns pequenos cuidados culturais que sempre as farão crescer saudáveis ​​e exuberantes.

Características


As tulipas, também chamadas de tulipa, são espécies bulbosas pertencentes à família Liliaceae. Nativas da Ásia e da Europa mediterrânea, essas espécies apresentam mais de cem variedades classificadas de acordo com a forma e a cor das flores. As tulipas eram amplamente cultivadas na Turquia já há 10 mil anos e importadas para a Europa por volta de 1500. O maior produtor de tulipas é a Holanda, onde no período do Renascimento se formou um verdadeiro mercado de venda de tulipas, que eram cotadas como ações financeiras. O nome tulipa deriva do turco “tullband” que significa “turbante” devido à forma das flores que lembra este cocar em particular. As tulipas têm um caule de dez centímetros a meio metro de altura, com folhas carnudas de cor verde e azulada. No topo do caule desenvolvem-se flores únicas que podem ter diferentes cores, do branco ao vermelho ao roxo. No centro da flor as pétalas são coloridas de preto, enquanto as externas podem ser listradas com duas cores, dando vida às preciosas variedades bicolores.

Variedade


Existem muitas variedades de tulipas. Alguns crescem espontaneamente, outros são obtidos de híbridos ou de cruzamentos entre variedades monocromáticas e bicolores. Dentre as variedades mais conhecidas, lembramos a tulipa linifolia, a tulipa australis, a tulipa tarda e a tulipa silvestris. Cultivadas para fins ornamentais são as variedades tulipa fosteriana e tulipa lanata. Uma outra classificação das tulipas é feita com base na época de floração e na cor das flores. Nesse sentido, existem tulipas precoces, duplas precoces, tardias, unicolores, bicolores e sombreadas. No mercado existem inúmeros híbridos derivados do cruzamento entre tulipas de uma e duas cores. Entre os híbridos mais valiosos podemos citar: Chalé, utilizado para a produção da flor de corte; Darwin, usado tanto para a flor de corte quanto no jardim, e Breeder, que oferece uma combinação de flores de várias cores (laranja, amarelo, camurça, bronze e roxo). Alguns híbridos são usados ​​para forçar o florescimento, como o Triumph. Existem também os híbridos “Dragões”, também chamados de “Papagaios”, para as flores com pétalas listradas ou pintadas. Destes também obtivemos os híbridos “Bizzarri” com flores de formas e cores completamente incomuns em comparação com as clássicas tulipas. Tulipa linifilia são variedades de tulipas com flores rosa. A tulipa australis, também chamada de tulipa da montanha, tem flores amarelas por dentro e ligeiramente alaranjadas por fora. As flores da última tulipa são sempre amarelas, com tonalidades apicais brancas. A tulipa silvestris, com suas flores totalmente amarelas, representa a variedade espontânea que também cresce na Itália. Presente nas áreas do sul, eles também são chamados de “tulipas do campo”. Das variedades de tulipa fosteriana obtêm-se flores vermelhas, brancas, violetas, rosas e vermelhas alaranjadas. As tulipas lanata têm flores com pétalas rosa e um centro interno amarelo.

Cultivo


As tulipas são espécies bulbosas que não precisam de cuidados excessivos. Perfeitamente capazes de absorver a água da chuva, devem ser irrigadas apenas quando necessário, ou em períodos de seca. Devido às suas características vegetativas podem permanecer muitos anos no mesmo solo e são adequados tanto para cultivo em vasos como em campo aberto. Atenção especial deve ser dada no caso de propagação, que ocorre através dos bulbilhos formados a partir dos bulbos basais. Alguns bulbilis são estéreis e apenas criam confusão na base do canteiro de flores que deveria abrigar as tulipas. Na atividade de multiplicação, portanto, é necessário identificar o bulbili fértil. Nos próximos parágrafos, examinaremos individualmente as várias práticas a serem implementadas no cultivo de tulipas.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *