Dicas

Multiplicação de orquídeas

Orquídeas de multiplicação

As orquídeas estão entre as flores mais conhecidas, utilizadas e apreciadas por todos. Os primeiros vestígios da existência de orquídeas remontam a cerca de 65 milhões de anos atrás e imediatamente foram muito apreciadas. Eles desenvolvem belas flores, uma sensualidade e uma elegância única e requintada. Neste artigo, vamos nos concentrar na multiplicação dessas plantas maravilhosas. Em primeiro lugar, vamos esclarecer o conceito de «multiplicação», já podemos adivinhar o seu significado a partir do termo. Por multiplicação, queremos dizer a reprodução ou, melhor dizendo, o aumento de qualquer espécie ou tipo de planta. A multiplicação produz mais sementes, plantas e flores a partir das sementes. Quanto mais sementes, mais plantas se desenvolverão. A multiplicação de orquídeas pode ocorrer por meio de dois métodos diferentes: a primeira é por meio de sementes e a segunda é por via vegetativa. O método mais simples é certamente a multiplicação por via vegetativa, ou por estaca. Desta forma, são obtidas plantas idênticas à planta-mãe.

Multiplicação por merissistema


Uma técnica muito particular de multiplicação vegetativa é a por meristema. Esta técnica pode ser utilizada única e exclusivamente em laboratório e consiste na seleção de algumas células do ápice vegetativo de um caule. Essas células são chamadas de meristemáticas e têm a particularidade de serem indeterminadas, ou seja, podem crescer em qualquer parte da planta, seja a raiz, a folha e a flor. Um conjunto de células se desenvolve em cada broto antes mesmo de «decidir» em que parte da planta se desenvolver. Essas células têm uma capacidade de multiplicação considerável. Se tentarmos pegar alguns deles e cultivá-los in vitro, quando percebem a ausência dos órgãos das plantas de que precisam, começam a construí-los. Por isso são uma excelente técnica de reprodução de plantas de orquídea, pois são capazes de desenvolver muitas mudas novas. Se dividirmos este grupo de células, veremos que teremos novamente as mesmas fases de desenvolvimento. Na verdade, é possível dividir essas células até obtermos o número de plantas de que precisamos. Depois de divididos, eles são deixados para crescer sem perturbá-los muito e, posteriormente, serão movidos para vasos individuais. O cultivo dessas mudas deve ocorrer da mesma forma que em todas as outras planícies. é possível dividir essas células até obter o número de plantas de que precisamos. Depois de divididos, eles são deixados para crescer sem perturbá-los muito e, posteriormente, serão movidos para vasos individuais. O cultivo dessas mudas deve ocorrer da mesma forma que em todas as outras planícies. é possível dividir essas células até obter o número de plantas de que precisamos. Depois de divididos, eles são deixados para crescer sem perturbá-los muito e, posteriormente, serão movidos para vasos individuais. O cultivo dessas mudas deve ocorrer da mesma forma que em todas as outras planícies.

Cortando e semeando


Em comparação com a técnica anterior, a multiplicação por estacas é realizada quase para todas as plantas. Na realidade é muito simples, basta pegar um corte de pelo menos 10 centímetros, limpar e colocar em um recipiente com uma mistura de areia e turfa para promover a ramificação. O recipiente deve ser mantido na temperatura certa e em local abrigado e com pouca luz. Uma folha de plástico também deve ser colocada acima do recipiente para funcionar como proteção. Uma vez que a planta tenha caçado suas primeiras raízes, o recipiente pode ser movido para um local mais iluminado e o véu protetor pode ser removido. Mais tarde, quando a planta ficar forte, ela pode ser movida para um único vaso e tratada como uma planta adulta. A propagação por estacas é uma operação bastante fácil, a única coisa é que as orquídeas vêm em duas formas diferentes, mas isso não é uma dificuldade ou um problema de forma alguma. A reprodução por semeadura é mais complicada do que as técnicas expressas acima. Com a multiplicação por semeadura também é possível obter resultados muito mais satisfatórios, mas as plantas nunca serão perfeitamente iguais à planta-mãe ou entre si. Mesmo se polinizarmos uma flor com o mesmo pólen, as plantas que sairão terão características diferentes das da mãe. O problema está nas sementes, elas estão desprovidas de alimento e por isso procuram as substâncias de que precisam de fora, ou seja, de um determinado fungo que, ao se alimentar, libera substâncias como açúcares e muito mais. A reprodução por semeadura é mais complicada do que as técnicas expressas acima. Com a multiplicação por semeadura também é possível obter resultados muito mais satisfatórios, mas as plantas nunca serão perfeitamente iguais à planta-mãe ou entre si. Mesmo se polinizarmos uma flor com o mesmo pólen, as plantas que sairão terão características diferentes das da mãe. O problema está nas sementes, elas estão desprovidas de alimento e por isso procuram as substâncias de que precisam de fora, ou seja, de um determinado fungo que, ao se alimentar, libera substâncias como açúcares e muito mais. A reprodução por semeadura é mais complicada do que as técnicas expressas acima. Com a multiplicação por semeadura também é possível obter resultados muito mais satisfatórios, mas as plantas nunca serão perfeitamente iguais à planta-mãe ou entre si. Mesmo se polinizarmos uma flor com o mesmo pólen, as plantas que sairão terão características diferentes das da mãe. O problema está nas sementes, elas estão desprovidas de alimento e por isso procuram as substâncias de que precisam de fora, ou seja, de um determinado fungo que, ao se alimentar, libera substâncias como açúcares e muito mais. Com a multiplicação por semeadura também é possível obter resultados muito mais satisfatórios, mas as plantas nunca serão perfeitamente iguais à planta-mãe ou entre si. Mesmo se polinizarmos uma flor com o mesmo pólen, as plantas que sairão terão características diferentes das da mãe. O problema está nas sementes, elas estão desprovidas de alimento e por isso procuram as substâncias de que precisam de fora, ou seja, de um determinado fungo que, ao se alimentar, libera substâncias como açúcares e muito mais. Com a multiplicação por semeadura também é possível obter resultados muito mais satisfatórios, mas as plantas nunca serão perfeitamente iguais à planta-mãe ou entre si. Mesmo se polinizarmos uma flor com o mesmo pólen, as plantas que sairão terão características diferentes das da mãe. O problema está nas sementes, elas estão desprovidas de alimento e por isso procuram as substâncias de que precisam de fora, ou seja, de um determinado fungo que, ao se alimentar, libera substâncias como açúcares e muito mais.

Monopodiais e simpodiais


Em virtude do que foi escrito anteriormente sobre a multiplicação por estacas, as duas formas diferentes de orquídeas são a monopodial e a simpodial. As orquídeas monopodiais têm um caule que se desenvolve em comprimento e produz novos brotos por conta própria na base da planta. Há alguns que não produzem novos brotos na base, mas os produzem a partir do caule da flor quando as flores murcham. Existem algumas espécies que não nos fazem essa gentileza e, portanto, podem ser divididas quando o caule desenvolve raízes aéreas. As plantas que se alongam muito podem ser cortadas ao meio e replantadas individualmente. A parte inferior logo desenvolverá um novo sistema radicular, enquanto a parte superior continuará seu desenvolvimento. Orquídeas simpodiais são aquelas que possuem um rizoma de onde nascem os bulbos. Cada bulbo é uma planta que pode ser destacada e plantada em vasos únicos. Uma dica é dividir os rizomas em grupos de três ou quatro bulbos, de forma que eles dêem uns aos outros a energia certa para se desenvolver da melhor maneira.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.