Dicas

Doenças da videira

O cuidado da videira

A videira é uma piata apreciada pelos italianos, por uma série de motivos que vão desde o prazer de degustar o néctar dela obtido até por motivos comerciais e econômicos; Certamente não se pode negar que o nosso país está intimamente ligado à vinha, à uva e ao vinho, visto que o nosso está ligado ao seu nome em todas as partes do globo. Pode ser verdade que os italianos não inventaram o vinho (a pesquisa histórica sugere que seja de origem grega, então continuada pelos antigos romanos), mas é graças ao nosso domínio, à genuinidade e à fertilidade de nossas terras que produzimos e distribuímos todos os anos para todo o mundo milhões e milhões de garrafas de vinho, que geram um enorme volume de negócios e empregos para nós e para as nossas empresas, chegando a raciocinar nos milhares de milhões de euros por ano. Tudo isso é possível graças à videira, planta historicamente autóctone dos nossos climas, que produz uvas, fruta que se come logo após a colheita, mas que em algumas variantes é preciosa para a vinificação. Obviamente, é necessário recriar as condições mais adequadas para garantir que uvas de qualidade sejam produzidas para obter vinho de qualidade; vai do clima ao traçado, passando pelo solo e pela poda.


À parte o descuido e a negligência, que porém um bom agricultor nunca terá, os piores inimigos da videira são todos aqueles fenômenos que a atacam, enfraquecem e a impedem de produzir boas uvas para um bom vinho; tudo isso poderia ser resumido sob o nome de «doenças da videira». No entanto, deve-se notar que a videira não apresenta todas as doenças causadas por patógenos como vírus ou outros, mas também é danificada por insetos e pequenos animais, bem como pelas condições de vida (temperatura, umidade, etc.) que afetam seus desenvolvimento e muitas vezes pavimentam o caminho para as condições ideais para doenças reais. Em geral, quem deseja produzir uvas viníferas deve ter muito cuidado para recriar acima de tudo a fase climática ideal das espécies que cultiva (porque obviamente todas as espécies de videira, e não são poucas, tem suas próprias preferências e fraquezas a considerar), uma vez que este é o ponto de partida para uma cultura produtiva. Agora vamos enquadrar as doenças mais comuns da videira com rápida precisão, com sugestões de soluções, considerando tanto o que é causado por vírus como outros agentes.

Filossera, altiche, roncet

A filoxera é uma doença muito grave que afecta em particular as vinhas de origem europeia, ou melhor, atinge todas as vinhas mas sim as europeias com efeitos mais graves e por vezes devastadores. O portador da doença é um pulgão, um pequeno inseto que ataca as raízes da videira e em nenhum momento leva à morte muito rápida devido à degeneração total das raízes. O único remédio eficaz é a enxertia de uma videira europeia sobre um porta-enxerto de origem americana, cujas raízes são resistentes à doença. As anchovas são doenças das vinhas que não são muito graves para a produção, mas que devem ser evitadas para o estado geral da planta; são causados ​​por uma família de insetos chamada Alticini, que «comem» as folhas deixando apenas as veias e que passam por remédios à base de arsênico. O enrugamento da videira (também denominado “roncet”) é uma doença provocada por grupos de vírus cuja infecção é transmitida à planta através do solo ou através de estacas; provoca o aspecto espesso da planta, com aumento dos ramos, mas o seu encurtamento e densidade aumentam, atingindo a secagem total da planta afetada.

Doenças da videira: traça, oídio e plasmopara

A traça não é uma verdadeira doença da videira, mas é um inseto que atinge a planta e a infecta; o mecanismo se baseia no fato de esses insetos escolherem uma planta e nela depositarem milhares de ovos que em poucos dias eclodem e liberam larvas. Essas larvas atacam a planta porque se alimentam dos botões das flores, prejudicando muito o aspecto produtivo da uva, afetando muito o aspecto econômico. Justamente por isso são fortemente combatidos com produtos químicos (cloratos, fluorossilicatos e arsenatos), que porém são muito tóxicos também para o homem, portanto devem ser usados ​​com extrema cautela (mas muitas vezes são necessários, pois a mariposa resiste muito bem a seus numerosos inimigos naturais, como fungos e outros insetos). Oídio e plasmopara são doisdoenças da videira causadas por dois tipos diferentes de fungos, o primeiro visível (também chamado de «doença branca») enquanto o segundo é mais sutil e na verdade causa danos mais graves à própria planta porque quando se nota a sua presença (ressecamento das uvas) pois a planta já é tarde demais. Um tratamento preventivo à base de cobre e enxofre de cobre é frequentemente praticado, para ser pulverizado na folhagem e entre as folhas. Como vimos, a videira tem muitos inimigos, e talvez isso se deva à sua importância tanto para a natureza (da qual é um dos frutos mais valiosos) como para o homem; felizmente encontramos várias soluções, mas é sempre aconselhável fazer escolhas prudentes no uso ou abuso de soluções químicas.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.