Dicas

Como usar o oxicloreto de cobre

Com as restrições ao uso de ingredientes ativos fungicidas, o uso de alternativas viáveis ​​e eficazes, como o oxicloreto de cobre , ganha importância . Embora qualquer formulação de cobre também seja de uso restrito em nível europeu, em nível preventivo e curativo oferece resultados muito bons.

O cobre é usado como fungicida para uma infinidade de fungos em desenvolvimento e é aplicado em hortícolas, ornamentais e frutíferas.

O oxicloreto de cobre tornou-se uma das fórmulas mais utilizadas e mais reconhecidas no setor, tanto por sua concentração quanto por sua estabilidade e facilidade de aplicação.

Neste artigo vamos comentar as principais características deste produto à base de cobre e as doses utilizadas. Sendo utilizado como fungicida, é considerado um produto fitossanitário e todos os produtos devem ser registrados e com doses específicas de acordo com a doença a ser tratada.

Para que serve o oxicloreto de cobre na agricultura?

O principal uso oferecido pelo oxicloreto é como fungicida, embora também seja autorizado como bactericida.

Precisamente, para este último caso, o cobre é a única fonte de tratamento, pois o uso de antibióticos é proibido na agricultura. A sua funcionalidade a nível bactericida é mais limitada, mas também tem alguma eficácia como ferramenta única.

No entanto, o oxicloreto de cobre é amplamente utilizado como fungicida, a nível preventivo e curativo para todo o tipo de doenças, com uma lista muito extensa de tratamentos e diferentes tipos de aplicação (aspersão, aplicação foliar de soluções líquidas, aplicação no solo, etc.). . .).

Outra vantagem que este produto também oferece é a viabilidade de ser utilizado na agricultura orgânica . Por isso, torna-se uma das poucas fontes autorizadas para combater fungos no setor orgânico.

Como você também se lembrará, existem outras fontes de cobre, sendo uma fórmula bem conhecida também a da mistura de Bordeaux .

Doenças que podem ser tratadas com oxicloreto de cobre

O oxicloreto de cobre oferece alta eficácia contra uma ampla gama de doenças. Uma das vantagens que oferece é que pode atuar sempre com a mesma eficiência, independentemente da tensão, por isso não oferece resistência .

Isso é interessante, pois há cada vez mais cepas resistentes a fungicidas e os efeitos curativos dos produtos são cada vez mais reduzidos. Assim, recomenda-se seguir um manual de boas práticas, alternando ingredientes ativos e cumprindo rigorosamente com os requisitos dos fabricantes (número máximo de aplicações, dose recomendada, período de segurança, etc.).

Principais doenças tratadas com oxicloreto de cobre:

  • Phytophthora
  • alternar
  • antracnose
  • bacteriose
  • Triagem
  • Aguado
  • Dente
  • Mofo
  • Cancro
  • Repilo (olival)
  • Sarna
  • dente ou triagem
  • Monília
  • Manchado
  • Aguado
  • fomopsis

Não existe uma fórmula de concentração única, pois podemos encontrar diferentes opções e não apenas à base de oxicloreto de cobre. Também existem registros autorizados onde um ingrediente ativo é combinado com cobre.

Por exemplo, algumas das fórmulas mais usadas:

  • Enxofre micronizado + cobre
  • Cimoxalina + cobre
  • Folpet + cobre
  • Mancozebe + cobre
  • Metalaxil + cobre
  • Tebuconazol + cobre

A principal função de todas as formulações de cobre (sulfatos, hidróxidos e oxicloretos, entre outros) é principalmente uma ação preventiva, embora em contato direto com o fungo, reduzam seu desenvolvimento e causem a morte.

A maior desvantagem do cobre metálico é alcançar alta mobilidade dentro da planta, especialmente para atacar fungos encontrados no interior das plantas, ou o câmbio .

Daí o famoso conceito de cobre sistêmico , aplicado na fertirrigação, para obter um efeito fungicida em toda a planta.

Concentrações e doses de oxicloreto de cobre

Atualmente, existem quase 30 registros autorizados para o uso de oxicloreto de cobre, seja como produto único ou misturado com outras formulações. É por isso que temos uma ampla gama de concentrações em escala ascendente, ou mesmo misturadas com formas de enxofre, para combater diferentes tipos de fungos que também são afetados por esse elemento (como o oídio).

Portanto, cada concentração tem uma dose específica e culturas autorizadas, e nem tudo vale.

Colocamos todas as formulações deste tipo de cobre atualmente existentes, com registro europeu.

OXICLORETO DE COBRE 25% (EXP. EM CU) [WG] P/P

Dose de aplicação: 0,3% (3 cc/L)

Culturas e doenças:  alho (antracnose, alternaria, míldio, bacteriose), berinjela (míldio), cebola (antracnose, alternaria, míldio e bacteriose), chalota (antracnose, alternaria, míldio), cucurbitáceas comestíveis (míldio), cucurbitáceas de casca não comestível (mofo), árvores frutíferas de caroço (dente), pomóideas (salpicadas), olivais (repilo, antracnose, tuberculose), tomate (bacteriose, míldio).

OXICLORETO DE COBRE (Exp. em Cu) 52% [SC] P/V

Dose de aplicação: 1,5-2,5 L/ha (formulação líquida)

Culturas e doenças: berinjela (Phytophthora) alface (mofo), maçã (canker, sarna, bacteriose), pêssego (dent, triagem, bacteriose, cancro), laranja (Phytophthora), nectarina (dent, triagem, bacteriose, cancro), azeitona (Pseudomonas, repilo), batata (Phytophthora), pereira (bacteriose, cancro, sarna), toranja (Phytophthora), tomate (Phytophthora).

OXICLORETO DE COBRE 50% (EXP. EM CU) [WG] P/P

Dose de aplicação: 1,5-2 kg/ha

Culturas e doenças:  alcachofra (mofo, ascocitose, alternaria, bacteriose), amêndoa (dente, bacteriose, triagem, monilia), avelã (bacteriose), berinjela (alternaria, antracnose, bacteriose, míldio), brócolis e couve-flor (alternaria, míldio, bacteriose, antracnose), citrinos (aquoso, bacteriose), cucurbitáceas (alternaria, míldio, antracnose, bacteriose), morango (antracnose), fruta de caroço (dente, bacteriose, triagem, monilia), pomóide (bacteriose, monilia, salpicado ), alface (mofo, alternaria, antracnose, bacteriose), noz (bacteriose), azeitona (tuberculose, repilo), batata (mofo, alternaria), pimenta (antracnose), pistache (bacteriose), tomate (bacteriose, alternaria, antracnose. míldio) .

OXICLORETO DE COBRE 70% (EXP. EM CU) [SC] P/V

Dose de aplicação: 0,1-0,2% (1-2 cc/L)

Culturas e doenças:  alcachofra (mildiu, alternaria, antracnose, bacteriose), amêndoa (triagem), beringela (mofo, alternaria, antracnose, bacteriose), citrinos (fomopsis, aguado), cucurbitáceas (mofo, bacteriose, alternaria, antracnose), morango (antracnose), árvores frutíferas de caroço (manchado, lepra, monilia, triagem, bacteriose), pomóideas (manchado, lepra, monilia), frutos de casca rija (monilia, bacteriose, lepra, lepra), vegetais de bolbo (mofo, alternaria, antracnose, bacteriose), brássicas (mofo, alternaria, antracnose, bacteriose), alface (mofo, alternaria, antracnose, bacteriose), nogueira (monilia, bacteriose, mosqueado, lepra), azeitona (repilo, tuberculose), batata (mofo, alternaria), tomate (mofo, alternaria, antracnose, bacteriose).

Culturas e variedades sensíveis ao cobre

Nem todas as culturas aceitam concentrações iguais de cobre dentro da planta no nível celular. Lembre-se que este elemento, em grandes volumes, pode causar fitotoxicidade (cada cultura tem seu limite), podendo causar desfolha intensa.

Culturas sensíveis ao cobre:  ​​macieiras (especialmente variedades como Golden, Starking, Reineta, Jonathan, etc.), pereiras como Blanquilla, Decana, Pasa Crassana, Willians, etc., pessegueiros, cerejeiras (dependendo das condições climáticas ), cucurbitáceas, batatas e cenouras.

Além disso, recomenda-se não realizar aplicações quando o ambiente estiver frio e muito úmido. Por sua vez, nem nos momentos de calor máximo na época estival (temperaturas superiores a 35 ºC).

Toxicidade do oxicloreto de cobre

Há um boom na aplicação das diferentes formas de cobre em praticamente todas as culturas. Isso fez com que, na maioria dos casos, houvesse altos níveis desse elemento metálico na chapa.

Por sua vez, aplicações frequentes no solo limitam muito o desenvolvimento de fauna microbiológica benéfica, causando desequilíbrios nutricionais e o efeito rebote de fungos entomopatogênicos.

A toxicidade do cobre está se tornando mais comum e é muito fácil de observar, pois em altas concentrações produz intensa desfolha da planta (um movimento da planta para eliminar o problema).

Um excesso de cobre no solo afeta o desenvolvimento das raízes . A resposta da planta é o desenvolvimento excessivo de raízes superficiais (desenvolvimento lateral), buscando um ambiente no substrato livre deste elemento.

O cobre causa antagonismo com outros metais, especialmente ferro e zinco, embora também tenha havido casos de deficiência de molibdênio devido à alta presença de cobre (Cu).

Quanto mais ácido o meio no solo, mais responsivo e móvel será o cobre.

Concentração excessiva de cobre na folha de berinjela. Fotografia: Homo Agricola

Baixar ficha técnica

Boi. cobre 25%

Boi. cobre 35%

Boi. cobre 50%

Boi. cobre 70%

Recomendações de segurança ao aplicar cobre

Como material ativo, tanto o oxicloreto de cobre quanto outras formas deste elemento possuem condições especiais de armazenamento e conservação. É altamente tóxico para peixes, algas e vida aquática, por isso possui condições de transporte ADR.

Ao realizar sua aplicação, recomenda-se o uso de roupas de trabalho adequadas: macacões e calças de mangas compridas de algodão (>300 g/m2) ou poliéster (>200 g/m2) e calçados resistentes à umidade.

É necessário consultar cada ficha técnica do produto porque, dependendo da safra, existe um período de segurança para o qual a safra não pode ser colhida. Por sua vez, também há períodos de reaplicação e incompatibilidades com fungicidas ou produtos nutricionais.

Produtos recomendados

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.